Você conhece a Marcha das Margaridas?

APP-Sindicato participa da Marcha que acontece hoje (14) em Brasília

“É melhor morrer na luta do que morrer de fome”.

Esta frase é de Margarida Maria Alves, liderança do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Alagoa Grande – PB, que lutou pelos direitos dos trabalhadores rurais e foi assassinada a mando de latifundiários em 12 de agosto de 1983. Desde 2000, mulheres trabalhadoras dos campos, das águas, florestas e urbanas organizadas realizam a Marcha das Margaridas, continuidade da luta de Margarida Alves, pelo fim da violência no campo, direitos trabalhistas, e contra todas as formas de violência e opressão.

Nesta quarta-feira (14) cerca de 100 mil participaram da edição 2019 do evento que  reúne especialmente mulheres do campo, da floresta e das águas. A programação inclui atividades culturais, formativas e políticas ao longo desta terça, anunciando a chegada da tradicional passeata, que percorre a Esplanada dos Ministérios. (Veja imagem abaixo)

Em sua sexta edição, o evento traz este ano uma plataforma política em vez de uma pauta.  O documento, produzido a partir de diálogos e debates com mulheres da base, reafirma a defesa de temas como a terra, a água, as práticas agroecológicas, as políticas de educação e saúde, o combate à violência de gênero, além da Previdência Social, hoje no centro da principal queda de braço no Congresso Nacional.

A secretária da Mulher Trabalhadora e dos Direitos LGBTI da APP-Sindicato, professora Ana Carolina Dartora está em Brasília e explica a participação do Sindicato na Marcha. “A APP em parceria com outros Sindicatos, preencheu um ônibus com mulheres educadoras do interior para incentivar a representatividade  de quem está em contato direto com as nossas escolas do campo. Tivemos, no total 40 educadoras, uma participação importante e expressiva neste momento histórico de reafirmação de direitos”, salienta a secretaria.

Editado de: Brasil de Fato