Tsunami da educação: manifestação reúne 10 mil em Curitiba

Centrais sindicais convocam greve geral para próximo dia 14. Manifestação será pela valorização da educação pública e contra a Reforma da Previdência

Foto: Gibran Mendes

Uma onda de guarda-chuvas cobria a cabeça dos milhares de estudantes e educadores(as) que olhavam para o céu. As cabeças erguidas observavam o o prédio da Universidade Federal do Paraná (UFPR) quando a faixa “Em Defesa da Educação” foi recolocada sobre as pilastras centrais. O protesto, que aconteceu em várias cidades do Brasil nessa quinta-feria (30), foi uma manifestação em repúdio à tentativa do governo Jair Bolsonaro (PSL) em ruir com direitos básicos da população: a educação e condições de vida digna na velhice.

Recolocar a faixa com os mesmos dizeres da que foi arrancada por manifestantes pró-Bolsonaro é uma forma de resistir e de defender os direitos dos estudantes e da classe trabalhadora. De acordo com a CNTE,  em cerca de 116 cidades de 24 estados e do Distrito Federal, os manifestantes protestaram, pela segunda vez,  contra os cortes na educação e em defesa da aposentadoria. (A primeira foi no dia 15 de maio, relembre aqui). “É muito importe que todas as categorias debatam a organização do próximo 14 de junho. As manifestações realizadas em todo Brasil foram muito importantes, reforçaram a nossa denuncia contra o rumos da educação pública no nosso país ante os ataques inimagináveis feitos pelo governo Federal, por meio do Ministério da Educação”, orienta o presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Silva Leão.

A pressão das entidades em defesa da educação pública para garantir mais recursos para a educação segue rumo à greve geral convocada pelas centrais sindicais para dia 14 de junho. “Nós, da APP,  já temos deliberação em assembleia e vamos participar sim desta greve convocada pelas Centrais Sindicais. Vamos somar a defesa pelos itens centrais da pauta da educação, entre eles a data-base, à pauta nacional que pede o fim dos cortes na educação e contra o desmonte da aposentadoria. Uma vez que nosso governador Ratinho Junior finaliza o mês de maio sem dar uma resposta sobre o reajuste dos servidores. Vamos colocar esse como ponto central aqui no Paraná”, finaliza o presidente.

:: Veja aqui as imagens da manifestação.