Só agora Ratinho admite que aulas presenciais retornam após vacinação dos(as) profissionais

Só agora Ratinho admite que aulas presenciais retornam após vacinação dos(as) profissionais

Um ano após o início da pandemia, Governo do Paraná é obrigado a admitir que Sindicato tinha razão

Foi preciso um ano de pandemia de Covid 19 para que o governador Ratinho Jr (PSD) reconhecesse a gravidade do problema e admitisse que só é seguro retomar as aulas presenciais após a vacinação dos(as) profissionais da educação. Esse dia, tão aguardado pelos(as) paranaenses, finalmente chegou. Na manhã desta terça-feira, em entrevista a uma rádio de Curitiba, Ratinho afirmou que as aulas presenciais só serão retomadas após a vacinação. “Consideramos prudente essa nova posição do governador. Reafirmamos a posição que sempre tivemos desde o início, de que as aulas só podem acontecer presencialmente após a vacinação dos professores e também dos funcionários de escola”, comentou o presidente da APP-Sindicato, Hermes Leão.

Embora admita que a mudança da posição do governador tranquilize parcial e tardiamente os(as) profissionais da Educação, o presidente da APP-Sindicato lamenta que a pressão a que a categoria foi submetida nos últimos meses, com a tentativa da Secretaria da Educação de impor a volta às aulas presenciais a todo custo. “Esse processo negacionista levou à marcação de sucessivas datas de retorno às aulas presenciais, levando medo e insegurança  às comunidades escolares”, analisa Leão.

A pressão para retomar as aulas presenciais em momentos críticos da epidemia prejudicou principalmente trabalhadores do grupo de risco para Covid-19, que viram suas vidas ameaçadas diante da possibilidade de serem obrigados ao trabalho presencial. O Governo do Estado insistiu tanto na volta às aulas presenciais que a categoria se viu na contingência de aprovar em assembleia a Greve pela Vida, cristalizando um momento único na luta sindical.

Professores(as) e funcionários(as) querem o retorno as aulas presenciais, desde que isso ocorra em condições que não ofereçam riscos às vidas deles, dos estudantes e de seus familiares.

Para ser levada a sério, a decisão do governador de condicionar a volta às aulas presenciais à vacinação precisa ir além de uma conversa com jornalistas. Ratinho precisa dar mostras de compromisso e responsabilidade. Na entrevista, ele estimou que a volta às aulas no Paraná deve acontecer em maio. Ele espera concluir em meados de abril a vacinação das pessoas com mais de 60 anos, para iniciar em seguida a imunização de professores e policiais. Para isso conta apenas com as vacinas que forem enviadas pelo Governo Federal.