Só a luta muda a vida: Após sindicâncias, Seed mantém recontratação de profissionais demitidos(as

Mesmo após denúncias, a Seed instaurou Comissão de Sindicância para professores(as) PSS que tiveram os contratos reabertos em virtude do cumprimento da decisão do Mandado de Segurança.

Professores(as) PSS em protesto contra demissões - Foto: APP-Sindicato

Após a APP-Sindicato entrar com uma ação na justiça exigindo a recontratação dos(as) profissionais, a Seed está readmitindo aqueles(as) Professores(as) que foram injustiçados pela gestão de Renato Feder. Na decisão, ficou determinada a imediata recontratação dos(as) demitidos(as) porque reconheceu medidas de ilegalidade e arbitrariedade por não respeitar os contratos de todos(as) que estavam vinculados(as) aos editais prorrogados. 

Entre os já recontratados(as) está a Professora de Biologia, Ciências e educação Especial, Adriana Alves de Holanda. A profissional aponta que o processo foi constrangedor, principalmente pela tentativa de usar uma sindicância para justificar a arbitrariedade da Seed. 

“A comissão no início especulava motivos para que justificasse todo o ocorrido, mas quando perceberam que não existia verdadeiramente uma razão para tudo, a comissão passou a compreender e aceitar que não existia algo errado com minha conduta profissional. As demissões foram repletas de maldade e desumanidade! A angústia que sofremos tem perdurando todo esse ano, nos trazendo sequelas, humilhação, desgastes mental, muitas lagrimas e dificuldades”, conta Adriana Alves. 

A professora enfatiza ainda que a atuação da APP-Sindicato foi fundamental nessa conquista e destaca a importância de fazer parte da luta. “A APP-Sindicato disponibilizou seus(suas) advogados(as) que trabalharam no caso de forma honrada e com grande profissionalismo! Fico muito grata a APP e espero que continuem lutando e que possam contar com o auxílio da classe. Unidos somos mais fortes”.

Já a Professora de Língua Portuguesa, Juliana Santana, aponta também que houve um medo durante esse período, mas que com o auxílio da comissão de PSS e do Sindicato foi possível garantir a recontratação. “A atuação da APP-Sindicato foi imprescindível para mim e para todos(as) os(as) colegas que conseguiram retornar e também ganhar a sindicância, que é mais um abuso da Seed. Eu agradeço muito toda a APP-Sindicato e os advogados(as)”. 

Mobilização do Sindicato

O Coordenador do Departamento Estadual de PSS, Professor Elio da Silva salienta que a secretaria de Assuntos Jurídicos foi peça fundamental e enfatiza que a APP-Sindicato continuará acompanhando o caso de perto. “A Secretaria de Assuntos Jurídicos fez um intenso trabalho para garantir a defesa adequada em cada sindicância com os(as) professores(as) que vieram para para luta: sindicalizados(as) e não sindicalizados (as). Continuamos acompanhando os casos e em defesa dos direitos dos PSS, contra as demissões injustas”, completa o coordenador.

O secretário estadual da Mulher Trabalhadora e Direitos LGBTI+ e Pedagogo PSS, Clau Lopes, explica que diante a tanto assédio moral e terrorismo por parte da Seed após a decisão judicial ganha pela APP-Sindicato,a instauração de Comissão de Sindicância representa mais uma abuso. “Esses(as) profissionais sabiam da sua responsabilidade e do seu trabalho feito durante 2019. Nós temos vários casos de professores(as) que passaram por essa sindicância e que resultou no arquivamento ou absolvição, mais uma vez, devido a atuação jurídica do Sindicato, que comprovou que não havia nada para punir ou coagir os(as) Professores(as)”, conta Clau.

O Sindicato destaca que é importante que a categoria participe da luta, faça a sindicalização, pois só a união da categoria é capaz de barrar os ataques do Estado. 


Leia mais: 

:: Em ofício, APP-Sindicato protocola abaixo-assinado contra prova para PSS
:: Governo do Paraná terá que devolver diferença de salário a professores(as) PSS
:: APP-Sindicato orienta que professores(as) PSS manifestem o interesse na prorrogação dos contratos