Sindicalizados(as) avaliam e aprovam as contas da APP-Sindicato

As atividades, aplicações orçamentárias de 2018 e o planejamento de investimentos para 2019 foram analisados e aprovados pela categoria durante assembleia

 

Professores(as) e funcionários(as) de escola de todo Paraná estiveram hoje(23) em Curitiba para participar das assembleias da APP-Sindicato. No início da manhã, conforme define o Regimento e o Estatuto da APP, foi instalada a assembleia ordinária de prestação de contas.

Cada sindicalizado(a) recebeu, no início da assembleia, um documento contendo o Balanço Patrimonial ( 2018), o Relatório de Atividades Políticas e Sindicais (2018) e o Plano anual de Aplicação Orçamentárias do ano de 2019 (referentes ao funcionamento da sede, casas e colônias de Guaratuba e Itapoá). A categoria analisou a prestação de contas feita pelos Núcleos Sindicais e pela sede e apreciada pelo Conselho Fiscal da APP ( nove educadores eleitos pela categoria para fiscalizar as contas do Sindicato).

O professor Sergio Martinhago preside o Conselho Fiscal e explica que o trabalho minucioso dos Conselheiros é fundamental para garantir a lisura em todo processo de prestação de contas. “Nos reunimos a cada dois meses em reuniões ordinárias e, toda a vez que solicitados, em regime extraordinário. Avaliamos detalhadamente cada valor e cada situação de gasto e, quando necessário, pedimos esclarecimentos ou reprovamos as contas. Somos um grupo plural que trabalhamos continuamente para assegurar a manutenção do patrimônio e ampliação das atividades em defesa da categoria”, explica o professor.

Mesmo diante de um período intenso de ataques às atividades sindicais e aos movimentos sociais, a APP-Sindicato sobrevive, exclusivamente, pelo trabalho de base e adesão voluntária – a APP não recebe nenhum imposto ou repasse do governo federal ou estadual. Professores(as) e funcionários(as) sindicalizados(as) contribuem mensalmente para a manutenção da APP. De tudo que é arrecadado, 70% fica com a sede para o pagamento de todos(as) os(as) empregados(as) da APP (das sede e dos 29 Núcleos Sindicais). Fica também ao encargo da sede a manutenção estrutural (sede, casas, clube e colônias) e a realização das atividades políticas e pedagógicas do Sindicato, em todo Estado. Os 30% restantes são repassados aos Núcleos para manutenção da estrutura local e viabilização das ações em defesa dos direitos da categoria em cada uma das regiões e municípios paranaenses.

Desafios futuros – Para a professora Walkíria Mazeto, secretária de Finanças da APP-Sindicato, apesar da saúde estrutural e financeira da APP estar em dia esse é um momento da categoria pensar conjuntamente os próximos passos da luta em defesa dos direitos coletivos, pois é eminente a tentativa do governo federal de enfraquecer a representatividade da classe trabalhadora. “A Medida provisória 873 não se aplicou ainda as redes estaduais e municipais. De autoria do governo Bolsonaro, ela autoriza que o repasse financeiro dos sindicalizados aos sindicatos seja feito apenas por boleto”, explica Walkíria.

Vale lembrar ainda que, de 2016 para cá, os salários dos(as) educadores(as) estão congelados e, consequentemente, também a receita da APP, mas as despesas são crescentes. “Esse cenário de desvalorização do trabalho e da união dos trabalhadores é uma a  prever o que está por vir. Por isso, todos e todas temos o dever e a tarefa de pensar e sugerir como vamos continuar fazendo nosso trabalho em defesa dos nossos direitos de carreira e promovendo as sindicalizações”, salienta a secretária de Finanças.

Lembrando que o Balanço Financeiro e Patrimonial aprovado em assembleia estará disponível para consulta aqui, no site da APP.