Sinal Vermelho: campanha orienta mulheres como denunciar violência

APP-Sindicato entra na campanha Sinal Vermelho

A APP-Sindicato faz um chamado para que todos(as) leiam e se integrem sobre a campanha Sinal Vermelho para a Violência Doméstica, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB). A iniciativa tem como objetivo ajudar as mulheres em situação de violência para que peçam ajuda nas farmácias e drogarias do país, e também elaborar estudos e ações emergenciais de ajuda nessa fase do isolamento social.

Segundo a organização, o protocolo é simples, pois com apenas um “X” vermelho na palma da mão, que pode ser feito com caneta ou batom, por exemplo, a vítima já sinaliza que está em situação de violência. Assim, com o nome e endereço da pessoa, os(as) atendentes das farmácias e drogarias que estão participando da campanha devem ligar para o 190, no exato momento, e comunicar sobre a situação. Ao todo, são 10 mil estabelecimentos inscritos nesta parceria pelo país (confira aqui).

A APP-Sindicato alerta e lembra que a cada duas horas uma mulher é morta, e a maioria dos crimes ocorrem dentro de casa. É assustador, mas é a realidade. Diga não para qualquer tipo de violência, diga não contra as ações violentas que atingem as mulheres!

Dados que revelam a triste realidade:

– A cada duas horas uma mulher é morta, e no Paraná a cada 36 minutos uma mulher é morta.

– De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a taxa de feminicídios no Brasil é de 4,8 para cada 100 mil mulheres, sendo a quinta maior do mundo. O feminicídio se tornou crime hediondo no Brasil em 2015 (Lei 13.104, de 2015).

–  De acordo com o Ministério Público do Paraná registram-se em média 13 casos de feminicídio e de tentativas do crime por mês, desde março de 2015 (quando a lei entrou em vigor) a março de 2018.

Leia também:

:: Sinal Vermelho: CNJ lança campanha de ajuda a vítimas de violência doméstica na pandemia