Setembro amarelo: APP endossa campanha pela valorização da vida

Setembro amarelo: APP endossa campanha pela valorização da vida

Professor(a) e funcionário(a) de escola, saiba onde procurar ajuda e tratamento para casos de depressão

Começa neste mês a campanha Setembro Amarelo. Por isso, a APP-Sindicato também usará espaço nas suas mídias para falar sobre o tema e endossar as ações de informação e prevenção ao suicídio.

No Brasil, todos os dias, cerca de 32 pessoas dão fim a própria vida, uma morte a cada 45 minutos. Os dados são de uma pesquisa recente do Centro de Valorização da Vida (CVV).

A campanha do Setembro Amarelo é um alerta constante para os problemas mentais que podem levar a situações de suicídio desencadeadas por vários fatores, entre eles, medidas opressivas e tóxicas nas relações de trabalho, problemas financeiros, familiares, e outras inúmeras causas associadas ao desgaste mental.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) cerca de 300 milhões de pessoas no mundo têm depressão e este será o principal problema de saúde no mundo em 2050, de acordo com reportagem do El País. Entre os(as) profissionais que trabalham com educação pública, o adoecimento mental caminha lado a lado com as queixas em relação a condições de trabalho, a pressão e a retirada de direitos da categoria.

Não há dúvidas de que a forma como os governos têm maltratado a educação e o serviço público está adoecendo os(as) professores(as) e demais trabalhadores(as). Neste quadro,  Setembro Amarelo ganha uma importância maior devido à precarização das condições de trabalho e a nocividade implantada no ambiente escolar com a corrida por números e resultados imposta nas gestões neoliberais.

O Sindicato reforça que entre suas defesas estão a valorização do SUS e do SAS, para que ambos tenham políticas preventivas para que os trabalhadores e trabalhadores possam cuidar do seu bem-estar físico e mental antes do agravante da depressão.

Na rede pública, a indicação é procurar os Centros de Apoio Psicossocial (CAPS) do Sistema Único de Saúde (SUS). Por lá, é possível em algumas cidades marcar atendimento  com um psiquiatra ou psicólogo. Para professores(as) e funcionários(as) de escola estatutários(as), o SAS conta com psiquiatras (consulte no 0800 da sua regional sobre o atendimento).

Professores(as), diretores(as), pedagogos(as) e funcionários(as) da rede estadual do Paraná podem também agendar consultas online gratuitas com psicólogos(as) pelo aplicativo Bem Cuidar. 

Uma parceria entre a UEL e a Seed, que também pode ser acessado pelos PSS. O aplicativo está disponível no Google Play e na Apple Store para download no celular.

Já o Centro de Valorização da Vida (CVV), faz, desde a década de 60 atendimento telefónico, gratuito para apoio emocional e preventivo do suicídio pelo número 188. Em casos graves e emergências, procurar um pronto socorro para atendimento imediato.

 

Leia mais:

 

Suicídio de professores(as) no Paraná aumenta 15 vezes em cinco anos

MENU