Servidores(as) fecham a Ponte da Amizade em protesto contra o calote na Data-Base

Servidores(as) fecham a Ponte da Amizade em protesto contra o calote na Data-Base

Fórum das Entidades Sindicais e União das Forças de Segurança organizam o Dia do Basta para denunciar os mais de 25% de defasagem salarial

Hoje (27) foi Dia do Basta! Em Foz do Iguaçu, servidores(as) públicos estaduais de diversas categorias protestaram contra os salários congelados.

O ato unificado cobrou o pagamento da data-base na Ponte Internacional da Amizade, bloqueando as duas faixas de acesso por cerca de 40 minutos. A concentração começou às 10h, com denúncias sobre os gastos com propaganda pública e verbas de isenção fiscal.

Caravanas de todo Paraná com educadores(as), profissionais da saúde, policiais civis, penais e militares, técnicos de instituições do ensino superior e trabalhadores(as) do meio ambiente participaram da manifestação.

O movimento foi organizado pelo Fórum das Entidades Sindicais (FES) e pela União das Forças de Segurança (UFS).

É grave!

O salário dos funcionários(as) públicos(as) estão congelados desde janeiro de 2016, há seis anos.

A defasagem das remunerações chegou a 25,44% em maio de 2021, ao passo que a inflação dos últimos 12 meses alcançou perto de 10%, conforme estimativas oficiais, comprometendo o poder aquisitivo dos trabalhadores(as).

Segundo estudo do FES, o calote na reposição imposto por Ratinho Jr. implica perda de valor equivalente a quatro salários por ano no bolso de cada professor(a), funcionário(a) de escola, agente penitenciário, etc.

Os salários derretem ante o aumento dos preços da alimentação, aluguel, energia, água, combustível, gás de cozinha e outros serviços essenciais.

“Mais de mil pessoas participaram desta manhã de mobilização aqui em Foz do Iguaçu. É um ato unificado e muito importante para todos os servidores e servidoras do Estado, pois o atraso na data-base é um símbolo muito forte de como o governo Ratinho Jr não valoriza o serviço público que prestamos à população”, avalia a vice-presidente da CNTE, professora Marlei Fernandes de Carvalho.

Fotos: Quem TV