Materiais para debate na Semana Pedagógica, dias 26 e 27 de julho de 2018


ROTEIRO DE DEBATES E MATERIAIS PARA A SEMANA PEDAGÓGICA (JUL/18)

1º Dia (26/07)
Todos(as) os(as) trabalhadores(as) da Educação
1º Período (Boas vindas) - Vídeo de abertura com a Profª Taís Mendes – Secretaria Educacional da APP-Sindicato

(Cenário) – Apresentar o material em slides: Ataques à educação e propor a reflexão acerca da Semana Pedagógica da SEED à luz desses ataques e tendo como suporte bibliográfico “A Semana Pedagógica e o Mito da Caverna, entre a aparência e a essência”

(DEBATE DA PAUTA APP-SINDICATO) – A escola pública que a gente quer! Leitura do material impresso: “Nossa Luta tem Raízes na Educação” (encarte Edição Pedagógica – Jornal 30 de agosto jul/18). Priorizar neste período a leitura dos 5 (cinco) eixos de debate para elaboração de contribuições no período seguinte.
2º Período (Resistência) – Ainda com base no material impresso “Nossa Luta tem Raízes na Educação – A escola pública que a gente quer!” (encarte Edição Pedagógica – Jornal 30 de agosto jul/18). Dividir em grupos (eixos) para debater propostas de atualização da pauta dos(as) professores(as) e funcionários(as) de escola:
1) Defesa da democracia e da educação pública;
2) Financiamento da Educação;
3) Valorização profissional e condições de trabalho;
4) Saúde e previdência;
5) Autonomia educacional e sindical.

Reunir em plenária e socializar as contribuições com todo o grupo para fechar a contribuição ao debate da pauta por escola e entregar ao representante de escola ou no Núcleo Sindical de sua região.
Gravar um vídeo de até 30 segundos com o tema “A escola pública que a gente quer”. Enviar o vídeo para a Secretaria de Comunicação da APP (imprensa), através do número de WhatsApp 41 9249-2328.

 

2º Dia (27/07)
Todos(as) os(as) trabalhadores(as) da Educação
1º Período (Cenário) - Apresentar o material em slides: BNCC Fundamental e Reforma do Ensino Médio.

(Suporte Bibliográfico) – Aprofundar estudo/debate sobre Currículo na escola com base na referência no livro do Miguel Arroyo: “Currículo, território em disputa” – RJ: Vozes, 2011. Sugere-se dividir em 5 (cinco grupos, um para cada Parte do livro), fazer a leitura, socialização e debate dos eixos/partes em relação a (re)construção dos PPPs mediante a política da BNCC.

1) Os(as) professores(as) e seus direitos a ter vez nos currículos – Autorias, identidades profissionais;

2) Os saberes do trabalho docente disputam lugar nos currículos;

3) Os sujeitos sociais e suas experiências se afirmam no território do conhecimento;

4) As crianças, os adolescentes e os jovens abrem espaços nos currículos;

5) O direito a conhecimentos emergentes nos currículos.
2º Período (Resistência) – Dividir em grupos por disciplina e considerando o caráter da política da BNCC do Ensino Fundamental, as Diretrizes Curriculares Nacionais e do Paraná e o Documento “Referencial Curricular do Paraná: princípios, direitos e orientações”, construir coletivamente as propostas para o Referencial Curricular que esta sob consulta pública da SEED/MEC que expresse a defesa das Diretrizes Curriculares Nacionais, em especial as do Paraná.

Enviar cópia do resultado do debate para FORMULÁRIO APP-SINDICATO X CONSULTA BNCC para que possamos acompanhar as sugestões que estão sendo enviadas à SEED-PR.

 

Ao longo dos últimos dois anos resistimos à imposição de várias políticas educacionais que, mascaradas por uma forma legalista e alimentadas pelo discurso de austeridade fiscal como “meios que justificam os fins”, ferem os princípios do “Estado Democrático de Direito”, em especial o Direito à Educação, previsto constitucionalmente. Discurso este que vem ao encontro dos interesses de poderosos grupos privados multinacionais do ensino, que percebem no Brasil uma possibilidade de expansão dos seus negócios lucrativos e articulam poderes político, midiático e financeiro para o que hoje definimos como um sistemático ataque à Educação Pública.

Com o nítido objetivo de desmontar e desqualificar seu caráter público e inclusivo fomenta-se a narrativa social de que a Escola Pública é ruim, justificando assim a transferências de recursos públicos ao setor privado e ao mercado financeiro.

Diante disso, a Secretaria Educacional da APP-Sindicato elaborou este material com o objetivo de contribuir com a construção de um processo urgente e necessário de conscientização da classe trabalhadora para o desvelamento destes ataques, denunciando a mercantilização da educação pública e propondo uma oposição firme e esclarecida sobre a “contra-reforma privatizante”.

Acreditamos que a apresentação de todo esse material será rica e proveitosa para quem quer que se interesse pela sorte da educação pública neste país tão desigual.

O Material produzido é flexível e pode ser organizado em diferentes sequencias, conforme o enfoque que se quer debater. Convidamos a todos e todas a se apropriar das informações nele contidas, buscar leituras, vídeos e outros matérias complementares que possam ajudar na multiplicação e adaptação deste material para que chegue ao maior número de pessoas possível.

Esperamos que esses debates sejam provocados por nossos(as) representantes de escolas, que sejam acessados pelas comunidades do entorno escolar e que estes provoquem constantes debates com os(as) nossos(as) estudantes, pois ao fim e ao cabo é pelo direitos de todos e todas a uma educação laica, pública, de qualidade e socialmente referenciada que estamos construindo esta resistência.

Bom debate a todos(as)!

 

Vídeo com a professora Tais Mendes, secretária Educacional da APP-Sindicato, falando sobre a Semana Pedagógica 2018, pautas da categoria e como você pode participar da defesa da escola pública.

Jornal 30 de Agosto – Edição Pedagógica

Clique aqui para baixar o arquivo em formato PDF.