Secretaria da Educação posta conteúdos e envia e-mails se passando pelos(as) professores(as)

Secretaria da Educação posta conteúdos e envia e-mails se passando pelos(as) professores(as)

APP-Sindicato orienta professores(as) a denunciar casos nas ouvidorias da Seed e do Ministério Público

Secretaria da Educação posta conteúdo e envia e-mail se passando pelos(as) professores(a) de turmas - Foto: Pixabay

Professores(as) da rede pública estadual estão denunciando mais uma atitude arbitrária da Secretaria da Educação (Seed) para execução do projeto de ensino a distância (Ead) que não funciona.

De acordo com relatos recebidos pela APP-Sindicato, o governo estaria usando, sem autorização, a conta vinculada ao e-mail institucional dos(as) professores(as) em uma plataforma virtual de ensino para postar conteúdos e os(as) estudantes estariam recebendo e-mails como se tivessem sido enviados pelos professores(a) da turma.

“A ideia deles é dar aula no nosso lugar, elaborar as atividades”, comentou uma professora. Segundo ela, as mensagens enviadas aos estudantes foram personalizadas com saudação do tipo “Oi pessoal, como vocês estão?”. “É claro que os alunos pensaram que era eu”, completou ela dizendo ainda que a situação motivou questionamentos dos(as) estudantes.

Outra professora destacou os vários problemas na execução do plano do governo para implantar o EaD na rede pública. “Um aluno me questionou que tinha de Arte em Geografia. E pra mim aparece que eu postei atividade pra uma turma e eu não postei nada,” relatou.

Clique na imagem para ampliar

Denuncie!

A secretária de Finanças da APP-Sindicato, professora Walkiria Mazeto, explica que a orientação do Sindicato é para que os(as) professores(as) formalizem denúncias sobre esse caso na Ouvidoria da Seed e no Ministério Público e encaminhem para a APP-Sindicato, através do e-mail [email protected], prints dessas ocorrências e cópia das denúncias formalizadas para que sejam tomadas as medidas cabíveis.

“Se já não bastassem todos os problemas decorridos da imposição de um modelo de aula onde a comunidade escolar foi desrespeitada em não poder avaliar e opinar, a Seed, nesse fim de semana, enviou mensagem para estudantes utilizando os e-mails institucionais, fingindo ser o(a) professor(a) da turma. Além de um grande desrespeito, isso é um crime”, criticou.

Links para denúncia

  • Ouvidoria da Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (clique aqui)
  • Ouvidoria do Ministério Público do Paraná (clique aqui)

EaD que não funciona

Implantado sem diálogo com a comunidade escolar, o projeto de ensino a distância do governo tem gerado transtornos e reclamações. O aplicativo Aula Paraná recebeu nota 1,5 na avaliação dos estudantes que fizeram a instalação da ferramenta.

Pelo aplicativo, estudantes também foram expostos a mensagem de pornografia e chamamento para suicídio coletivo. O caso foi registrado em Londrina e deixou pais(mães) revoltados.

Saiba mais: EaD: Governo Ratinho expõe estudantes a mensagens de suicídio e pornografia

Já os(as) que conseguem assistir as aulas transmitidas pela televisão reclamam desde a qualidade da imagem até a metodologia, que não permite tirar dúvidas com o(a) professor(a).

Em nota, a União Paranaense dos Estudantes (UPES) também se manifestou contrária ao ensino a distância adotado pelo governo.

O Ministério Público aceitou denúncia feita APP-Sindicato contra a implantação dessa modalidade de ensino, que exclui os(as) estudantes que não têm recursos tecnológicos ou acesso a internet.

A secretária Educacional da APP-Sindicato, professora Taís Mendes, explica que o sindicato se posicionou contra a proposta de EaD e defende a reposição das aulas com a interação presencial entre estudantes e professores(as), após o fim do isolamento social.

“A imensa maioria de nossos professores não teve formação em educação a distância. Nossas escolas não estão organizadas e preparadas para realizar um planejamento em EaD. Como as nossas escolas vão orientar nossos estudantes? A imensa maioria dos estudantes não têm recursos necessários para realizar as atividades a distância”, explica.

Leia também

MENU