Salário inicial de professores(as) brasileiros estão entre os menores de 40 países, segundo OCDE

Salário inicial de professores(as) brasileiros estão entre os menores de 40 países, segundo OCDE

Entre os 40 países analisados pela OCDE, o Brasil tem a menor média salarial dos(as) professores(as) dos(as) dos anos finais do Ensino Fundamental

Foto: João Paulo Vieira/APP-Sindicato

Um estudo da  Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) revelou os 10 países que pagam os maiores salários para professores(as) no mundo. De acordo com os dados, os rendimentos oferecidos pelos países no top 10 são até 8 vezes superiores aos pagos aos docentes na rede pública do Brasil. 

:: Receba notícias da APP no seu Whatsapp ou Telegram

Entre os 40 países analisados pela OCDE, o Brasil tem a menor média salarial dos(as) professores(as) dos(as) dos anos finais do Ensino Fundamental. 

A média salarial anual dos(as) educadores(as) brasileiros(as) é de U$ 13,9 mil por ano, convertido a reais 71.394,57, enquanto a média salarial dos países membros e parceiros da OCDE analisados é de US$ 35,6 mil ou R$ 182.852,28. México, Colômbia e Chile. Na Alemanha, por exemplo, o valor supera os US$ 70 mil.

Considerando bônus e benefícios, o salário dos professores(as) em média é de US$ 25,7 mil anuais (R$132.002,91). O valor está abaixo da média da OCDE, que é de US$ 47,9 mil (R$ 246.028,77), e só ultrapassa o salário dos professores da Hungria e da Eslováquia, países do leste europeu.

Se falta valorização no salário de professores(as) em todo o Brasil, a situação no Paraná é ainda mais desesperadora. Com Ratinho Jr no governo há 6 anos, os educadores(as) penam com os salários defasados.

A soma da inflação dos últimos 12 meses com os percentuais da data-base que não foram pagos desde 2017, chega agora a 39,44%. O montante revela o quanto a remuneração dos funcionalismo estadual está defasada e também a falta de reconhecimento e valorização do governador com a categoria.

Funcionários(as) sofrem com os salários mais baixos

Já os funcionários(as) de escola, que recebem os salários mais baixos do estado  são os(as) servidores(as) estaduais mais penalizados. O rendimento base da tabela salarial do segmento é inferior ao mínimo nacional (R$ 1.320,00) e também ao mínimo regional definido pelo próprio governador. No início deste mês, Ratinho Jr. reajustou os valores com faixas que vão de R$ 1.749,02 a R$ 2.017,02. 

Na imprensa oficial, o Executivo destaca que o Paraná mantém o maior piso regional do país. Mas na vida real não garante esse direito para os(as) educadores(as) que exercem funções indispensáveis para garantir o funcionamento das escolas e a qualidade da educação pública.

Construir a luta

Além de debater e construir a luta para cobrar melhores condições de trabalho e valorização, os(as) educadores(as) sofrem hoje com uma grande ameaça. O governador Ratinho Jr pretende vender 200 escolas paranaenses.

Nesta semana, Ratinho sentou com deputados(as) da base e está prestes a enviar um projeto que entregará as escolas paranaenses para a iniciativa privada. 

Em resposta, a APP convocou uma Assembleia Estadual para debater quais ações serão tomadas em resposta à ofensiva do governador. 

Podem participar desta assembleia sindicalizados(as) e não sindicalizados(as). Para tanto, os(as) educadores(as) devem entrar no site da APP, ir em  “Minha Sindicalização”, preencher Meu cadastro e depois seguir para Inscrições. Lembrando que todos(as) devem se cadastrar. No dia da Assembleia, será enviado o link da videoconferência no e-mail cadastrado.

Em caso de dúvidas, problemas com o recebimento do link ou com acesso ao sistema, entre em contato com a APP pelo número (41) 2170-2500 (telefone e whatsapp).


:: Leia mais:

:: IBGE divulga índice de 3,69% para data-base de 2024 dos(as) servidores(as) do Paraná
:: APP-Sindicato convoca a categoria para a Assembleia Estadual Extraordinária

:: Fim da Escola Pública no Paraná
:: Ratinho Jr. e a shopeezação da educação pública | Artigo de Luiz Fernando Rodrigues

MENU