RIC TV nega direito de resposta à APP


No último dia 11 de março, a APP-Sindicato enviou um ofício ao presidente do Grupo RIC Paraná, Leonardo Petrelli, pedindo o direito de resposta a uma entrevista realizada com o governador Beto Richa no dia anterior.

A APP-Sindicato solicitou direito de resposta para esclarecer a pauta da educação e destacar a importância da greve dos(as) trabalhadores(as) em educação, visto que o governador do Estado insiste em desqualificar o movimento dos(as) educadores(as). A solicitação da APP pedia abertura para que, nos mesmos programas de veiculação da entrevista com Beto Richa, programa RIC TV e Jornal da Manhã – Jovem Pan, fossem disponibilizadas entrevistas com o mesmo tempo utilizado pelo governador.

No entanto, no último dia 16 de março, a APP recebeu o retorno do ofício afirmando que o pedido de resposta não foi concedido. De acordo com a emissora, existem duas razões para isso: a primeira é que a legislação que prevê o direito de resposta não está mais em vigor e a segunda, e a mais importante segundo o documento, é que “não vislumbramos ter havido qualquer ofensa à categoria, qualquer afirmativa leviana. Apenas a manifestação da opinião do entrevistado”.

A APP-Sindicato entrará com uma ação judicial para que o direito de resposta seja respeitado pela emissora. O governador do Estado ignora a importância da mobilização de 100% da categoria em todo o Paraná quando desqualifica nossa luta na televisão, nos rádios, portais e impressos. No entanto, a sociedade tem o direito de ouvir a versão do sindicato que representa os educadores e educadoras que lutaram por seus direitos durante essa greve.

Apesar da justificativa da emissora de que o governador fez apenas manifestação de sua opinião, enquanto entrevistado, sabemos que desqualificar a mobilização de servidores(as) públicos(as) vai muito além de emitir uma opinião, ainda mais quando isso afeta diretamente os(as) trabalhadores(as) em educação e toda a sociedade. A manifestação da opinião do governo também não garante que os(as) telespectadores(as) tenham acesso aos diferentes olhares sobre um mesmo problema. Além disso, sabemos também do papel social que a imprensa tem para levar as informações à sociedade. Isso significa que, ao dar espaço para o governo falar em um dos seus jornais de maior visibilidade, é também dar voz a apenas um dos lados da situação.

Democratização da mídia – Uma das lutas constantes da APP-Sindicato é para que a mídia se torne democrática no Brasil. Somente uma mídia plural, ampla, que dá voz aos vários segmentos da sociedade, incluindo os movimentos sociais, será capaz de democratizar a informação. Isso garante que os cidadãos e cidadãs saibam dos diferentes olhares diante dos acontecimentos na sociedade e não tenham acesso apenas ao que as grandes empresas de comunicação querem transmitir.