Ratinho Junior entrega Copel ao mercado após prometer que não privatizaria a estatal APP-Sindicato

Ratinho Junior entrega Copel ao mercado após prometer que não privatizaria a estatal

Oferta de ações da empresa na Bolsa de Valores de São Paulo entrega patrimônio do povo paranaense a grandes investidores

Ratinho Jr enganou mais uma vez a população paranaense e concluiu na calada da noite a oferta de ações da Copel na Bolsa de Valores de São Paulo, concretizando na prática a privatização da companhia. 

Na campanha eleitoral, o governador gravou um vídeo afirmando que a Copel continuaria sendo dos paranaenses se vencesse a eleição, mas jogou o compromisso no lixo.    

A oferta de ações que culminou na privatização da Copel movimentou R$ 5,2 bilhões na terça-feira (8). Na sexta-feira (11) os investidores terão que realizar os pagamentos. Com a operação, o governo do Paraná perde o controle da empresa, que passa a ter suas ações pulverizadas entre os investidores.

A Copel é a empresa mais lucrativa do Estado. Em 2022 o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização foi de R$ 5,5 bilhões, valor 10,4% superior ao do ano anterior. Portanto não faz sentido o Paraná abrir mão de participação acionária na empresa, a não ser para atender o olho gordo do mercado no patrimônio do povo paranaense. 

Com a venda de ações, a participação do Paraná no capital da Copel caiu de 31% para 15,6%. Agora deve se iniciar um período de transição para uma nova gestão da empresa, com eleição de um conselho administrativo.

A próxima vítima da sanha privatista deve ser a Compagas, estatal de distribuição de gás. Em 2021, o Governo do Paraná vendeu a Copel Telecom, subsidiária da Copel que fornece internet banda larga para todo o estado, por R$ 2,5 bilhões.

Estelionato eleitoral

A privatização da Copel acontece nove meses após Ratinho Jr aprovar a venda de ações na Assembleia Legislativa, numa mudança brusca nos planos anunciados durante a campanha eleitoral. 

Mesmo depois de eleito, o governador continuou afirmando que não privatizaria a Copel. Em entrevista publicada em outubro pelo jornal Valor Econômico, Ratinho Jr. disse não ter planos de vender a companhia. 

Enquanto mentia na entrevista, Ratinho Jr. já preparava a privatização da Copel. Um mês depois, em 24 de novembro de 2022, ele fez os deputados estaduais que o apoiam aprovarem a venda de ações da empresa.

A votação aconteceu no final da legislatura e sem discussão com a sociedade, no dia em que as atenções estavam voltadas para a estreia da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de Futebol. Foram 35 votos favoráveis entre os 52 deputados

Parlamentares contrários ao projeto denunciaram no plenário o “estelionato eleitoral” feito por Ratinho Jr. A deputada Mabel Canto (PSDB) reproduziu no microfone da tribuna a fala de Ratinho Junior em campanha. “Firmo esse compromisso: a Copel vai continuar sendo dos paranaenses”, dizia o então candidato à reeleição. 

Orgulho paranaense

A Copel é uma das maiores companhias elétricas do país, com atuação integrada no setor e um portfólio de ativos de distribuição, geração e transmissão de energia espalhados em dez Estados.

A companhia distribui energia elétrica a mais de 5 milhões de clientes no Paraná, tem quase 10 mil km de linhas de transmissão e um parque gerador de 7 gigawatts (GW), composto principalmente de usinas de fontes renováveis.

MENU