Ratinho fecha órgãos do governo, Alep aumenta restrições mas escolas continuam abertas em nova onda da pandemia APP-Sindicato

Ratinho fecha órgãos do governo, Alep aumenta restrições mas escolas continuam abertas em nova onda da pandemia

Governador recomendou às secretarias de Estado que suspendam atendimentos presenciais, mas segue convocando profissionais da Educação para voltar às aulas presenciais

Foto: EBC

O disparate de insistir na volta às aulas presenciais quando os casos de Covid, internamentos e mortes pela doença aumentam fica cada vez mais evidente no Paraná. A realidade dura da pandemia obrigou o governador Ratinho Jr a determinar às secretarias de Estado que suspendam os atendimentos presenciais por 21 dias, a partir de 24 de maio. A mesma realidade não é suficiente para levar Ratinho Jr a agir da mesma forma em relação aos profissionais da Educação, a quem quer obrigar a voltar às aulas presenciais. As ações de Ratinho Jr indicam que para ele há dois tipos de servidores: os que ele gosta e devem ser acolhidos, e os profissionais da Educação, que não merecem respeito e devem ser empurrados para as estatísticas da Covid 19.

As atitudes do governador Ratinho Jr têm contribuído para reforçar o acerto da Greve pela Vida, que avança à medida que a Secretaria da Educação tenta ampliar o número de escolas com aulas presenciais. Diretores(as) de colégios estaduais de Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, por exemplo, se reuniram e decidiram que não há condições de volta às aulas presenciais no município. Na ata da reunião, encaminhada à Secretaria, os diretores justificam a decisão com os péssimos números da saúde pública – aumento no número de casos e mortes por Covid 19 e falta de leitos de UTI.

A teimosia do governador em impor a volta às aulas presenciais tem aumentado seu isolamento em relação a outros Poderes e instâncias de Governo. A Assembleia Legislativa do Paraná anunciou essa semana o aumento de medidas restritivas sobre a circulação de pessoas na Casa. A cada dia mais Prefeituras constatam que não é possível retomar as aulas presenciais. O Núcleo Sindical da APP-Sindicato no Litoral conseguiu que o prefeito de Antonina publicasse decreto que veta o retorno presencial nas escolas, como já haviam feito Matinhos e Morretes.

Não é por falta de alerta que Ratinho Jr tem insistido em decisões equivocadas sobre a volta às aulas presenciais. Desde março a APP tem apresentado estudos do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, com projeções baseadas em modelos computacionais que apontavam o risco de agravamento da pandemia no Paraná e sugeria medidas para impedir o descontrole. O Governo Ratinho Jr menospreza o que diz a Ciência para se aliar aos negacionistas que brincam com a vida das pessoas. Nesta terça-feira (25) a fila para um leito de UTI passou de mil pessoas no Paraná, segundo o boletim epidemiológico da Secretaria da Saúde, mas a Secretaria da Educação continua convocando profissionais da Educação para voltar às atividades letivas presenciais.

Desde 10 de maio, quando as aulas presenciais voltaram em 200 escolas estaduais, foram registrados 95 casos de Covid 19 em alunos(as) e profissionais da Educação dessas escolas. Quinze turmas foram suspensas e quatro colégios, fechados. Mas não foi o bastante para o secretário Renato Feder, que anunciou essa semana o calendário de eleições de diretores(as) de escola, uma ótima medida para encher de gente as escolas que seguem abertas e favorecer o descontrole da epidemia. A desconexão de seus governantes da realidade está custando caro aos paranaenses.

Com o apoio de parte da mídia, que ajuda a compor o cenário “mil maravilhas” na volta às aulas presenciais, Ratinho Jr e Feder vão cada vez mais fundo nas ilusões que criaram para si mesmos. O lamentável é que eles não vão pagar sozinhos a conta de seus erros, pois vão deixar um rastro de dor e morte com sua arrogância. A APP-Sindicato segue se dedicando à defesa da vida e da saúde da nossa população em primeiro lugar.

 

MENU