Professores(as) brasileiros(as) têm os piores salários do mundo, revela estudo da OCDE

Em outros países, média salarial dos(as) professores(as) iniciantes é duas vezes e meia maior que no Brasil

Um levantamento da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) mostra os rendimentos do magistério no Brasil nas últimas posições entre 48 países pesquisados. Divulgado recentemente, o estudo denominado pesquisa Talis analisa as condições de ensino e do magistério no mundo.

De acordo com os dados, nos ensinos fundamental e médio, os(as) brasileiros(as) ocupam a última posição entre os 40 países em que há dados salariais. Os valores dos rendimentos são analisados conforme o nível de ensino. No ensino infantil, o Brasil está na 30ª posição entre 33 países em que a organização conseguiu coletar informações.

No Paraná, a situação é ainda mais grave. Os(as) professores(as), e também os(as) funcionários(as) de escola, estão com os salários congelados há mais de três. As perdas em relação ao aumento anual da inflação, passam de 17%. O prejuízo é equivalente a não receber mais de dois meses de salário por ano.

Salário de professor(a) pelo mundo
Valores do ensino médio*, em US$ por ano**

País Salário inicial Salário no topo da carreira
1º. Luxemburgo US$ 79.551 US$ 138.279
2º. Suíça US$ 71.249 US$ 109.240
3º. Alemanha US$ 63.866 US$ 92.386
Média da OCDE US$ 34.943 US$ 59.639
Média da Europa US$ 33.871 US$ 58.736
40º. Brasil US$ 13.971*** sem informação

*No Brasil, os salários dos ensinos infantil, fundamental e médio são os mesmos.
**A OCDE fez a conversão em dólar considerando o poder de compra de cada país.
***O atual piso nacional do magistério no Brasil é de R$ 2.557 por mês.
Fontes: OCDE e Ministério da Educação

O estudo da OCDE também indica que nos outros países a média salarial dos professores iniciantes é duas vezes e meia maior que no Brasil. Outro destaque ruim é que os rendimentos do magistério no Brasil não têm o mesmo crescimento ao longo da carreira, como ocorre em outros países. O levantamento aponta disparidades regionais de remuneração no país e que os resultados obtidos mostram o Brasil bem atrás dos países pesquisados.

Bons exemplos

No topo da lista de melhores salários aparece Luxemburgo, um pequeno país da Europa. Lá um(a) professor(a) iniciante da educação infantil recebe US$ 70 mil por ano, o equivalente a R$ 20.788 por mês, considerando-se a cotação do dólar.

Ainda em Luxemburgo, um(a) professor(a) iniciante, no ensino médio ou nas séries finais do ensino fundamental, ganha mais de US$ 79 mil por ano, o equivalente a R$ 23 mil por mês. Com alta experiência e qualificação, no topo da carreira, receberá US$ 138 mil por ano, ou R$ 40 mil por mês.

As informações são do portal de notícias UOL.