PF pede ao STF investigação contra Eduardo Bolsonaro por ataque a professores(as)

PF pede ao STF investigação contra Eduardo Bolsonaro por ataque a professores(as)

Deputado comparou professores(as) à traficantes de drogas durante discurso em evento pró-armas

Em resposta ao pedido do Ministro da Justiça, Flávio Dino, a Polícia Federal solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de um inquérito para investigar o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) por um discurso em que comparou professores(as) à traficantes de drogas e estimulou a fiscalização da atuação docente. 

De acordo com a reportagem de Aguirre Talento, do portal Uol, o pedido tem que ser autorizado pelo STF, já que Eduardo tem foro privilegiado. 

A matéria aponta ainda, que a PF deverá definir quais crimes o parlamentar é suspeito de ter cometido no episódio, a partir da análise dos fatos. Uma das hipóteses é a de incitação ao crime, por estimular violência contra os(as) professores(as).

A fala do deputado foi proferida durante um ato pró-armamentista realizado na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, no último dia 9. 

“Prestem atenção na educação dos filhos. Tirem um tempo para saber o que eles estão aprendendo nas escolas, para que não haja espaço para professores doutrinadores tentarem sequestrar nossas crianças. Não há diferença entre um professor doutrinador e um traficante de drogas, que tenta sequestrar e levar nossos filhos para o mundo do crime. Talvez até o professor doutrinador seja ainda pior, porque ele vai causar discórdia dentro da sua casa”, declarou.

Além de Eduardo, a PF vai investigar outro deputado bolsonarista, Gilvan da Federal (PL-ES), que atacou e desafiou Dino a tirar-lhe a arma.

APP repudia discurso

Após o discurso violento do deputado de extrema-direita, a APP publicou uma nota reforçando que o posicionamento de Eduardo Bolsonaro fomenta uma cultura de ódio e violência. 

“O projeto obscurantista que Eduardo Bolsonaro representa foi derrotado pelo povo brasileiro nas urnas, mas está sempre à espreita e com sede de sangue. Combatê-lo é um compromisso com a vida e com os valores humanitários. É questão de sobrevivência”, enfatiza o sindicato em nota.

Já a CNTE promove um abaixo-assinado cobrando a cassação do deputado. Atualmente, o documento conta com mais de 275 mil assinaturas e deverá ser entregue ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados.


:: Leia mais:

:: Pedido de cassação de Eduardo Bolsonaro ultrapassa 120 mil assinaturas em menos de 24 horas
:: Comparação repulsiva entre professores(as) e traficantes é apologia da morte e merece punição exemplar
:: Professora é ameaçada por alunas em Foz do Iguaçu: “vou chegar com um facão nela já”
:: Armas de fogo respondem por 76% das mortes nos ataques contra escolas ocorridos no Brasil
:: Combate à violência contra escolas exige abordagens múltiplas e integradas e não polícia na porta

Isso vai fechar em 5 segundos

MENU