Pelo direito de concluir o curso, estudantes de técnico de Enfermagem protestam em frente à Seed

Pelo direito de concluir o curso, estudantes de técnico de Enfermagem protestam em frente à Seed

Manifestação foi provocada pela falta de professores(as), atrasos nos salários e dificuldades para estagiar

Estudantes dos cursos técnicos de Enfermagem dos colégios estaduais Guido Straube e São Pedro Apóstolo, de Curitiba, protestaram em frente à Secretaria de Estado de Educação (Seed) na tarde desta quarta-feira (27) contra a falta de professores(as), atrasos nos salários e dificuldades para estagiar.

A manifestação forçou a Seed a receber uma comissão de alunos(as), acompanhados(as) pela vice-presidenta da Confederação dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Marlei Fernandes, representando a APP-Sindicato.

“O pagamento dos atrasados começa a ser encaminhado amanhã e os estágios foram liberados no período noturno. Ainda tem um gargalo, que eles colocam que vão resolver no ano que vem, que é a convocação de professores para acompanhar os estágios”, relatou Marlei, após a reunião com diretores da Seed.

A situação nos colégios será acompanhada por Marlei e por Sonia Dalpissol, integrante da direção do Núcleo Sindical Curitiba Sul da APP-Sindicato. “Foi muito bom representar a APP nessa demanda dos alunos(as) de Enfermagem. Conheci de perto os(as) estudantes e eles(as) conheceram um pouco mais a APP”, disse Marlei.

>> Receba notícias da APP no seu Whatsapp ou Telegram

Durante o protesto, os(as) estudantes fecharam em alguns momentos a avenida Água Verde em frente à Seed. Fernanda Correia, estudante do Guido Straube, foi atingida na cabeça por um objeto não identificado. Ela teve um ferimento leve na têmpora direita e não sabe de onde partiu o ataque, como informou à Polícia Militar em Boletim de Ocorrência feito no local.

Além da falta de professores(as), que está impedindo que façam estágios e concluam os cursos para poderem trabalhar, os(as) estudantes denunciaram outros problemas, como atrasos nos pagamentos e redução da remuneração dos professores PSS, que estariam ameaçando deixar as aulas antes do final do ano.

“Não pagam os professores PSS há três meses e esta semana chegou a informação de que só receberiam em dezembro”, conta Fernanda Correia.

O atraso nos salários dos professores PSS é confirmado por Jeniffer Strapasson, estudante do Guido Straube. “Além de faltar professor(a), vamos acabar perdendo os que temos”, afirma. Ela pede que a Seed suspensa a taxa de inscrição para o PSS, para estimular a participação de professores(as). “Com o salário baixo e ainda tendo que pagar a taxa de inscrição, não vale a pena para eles(as)”, diz Jeniffer.

As turmas dos dois colégios que terminaram a parte teórica dos cursos em 2020 ainda não puderam estagiar, pois não têm professores(as) para acompanhar os estágios. “Esse ano não teve estágio. No mês de julho, vendo que não tinha professor, procuramos a Seed atrás de respostas, porém nos enrolaram e nada aconteceu”, relata Jeniffer.

Isso vai fechar em 0 segundos

MENU