“O 29 eu não esqueço, onde está Richa eu apareço”


Na manhã de hoje (22), Beto Richa (PSDB) esteve em Guarapuava para assinar a ordem de serviço para a construção de um hospital regional e como de costume, educadores(as) e estudantes conseguiram passar pela segurança, e recepcionar o governador.

Segundo a presidente do NS de Guarapuava, professora Terezinha dos Santos Daiprai, os(as) manifestantes conseguiram passar pela segurança porque não estavam com camisetas da APP e esconderam as faixas e bandeiras junto ao corpo. “Driblamos a truculência da ditadura Richa e demos nosso recado ao (des)governador e ao ABC do camburão. Não se bate em quem educa o povo”, explica.

Além do governador, os(as) deputados(as) do “ABC do Camburão” — Artagão de Mattos Leão (PMDB), Bernardo Ribas Carli (PSDB) e Cristiane Silvestri (PPS) – que também estavam no evento, foram lembrados e vaiados.

O combinado era abrir as bandeiras e faixas apenas no final do evento. Entretanto com a fala de Beto Richa atribuindo a manifestação do PT e não à APP-Sindicato, os educadores(as) subiram nas cadeiras, abriram as faixas e gritaram a palavra de ordem “O 29 eu não esqueço, onde está Richa eu apareço!”, relembrando que estavam ali pelo desrespeito com que foram tratados(as) naquele fatídico dia.

Resposta – As manifestações por todo Estado são para relembrar o governador dos compromissos que ele assumiu junto à categoria ao fim da greve deste ano. O governo tem agido sorrateiramente fechando turmas, suspendendo projetos e programas de formação continuada como o PDE, por exemplo. Além, de toda pressão a funcionários(as) e professores(as) para a reposição dos dias da greve. O ataque aos(às) educadores(as) se dá justamente num momento de fechamento de ano letivo em que se precisa de tranquilidade nas escolas para encerrar o ano letivo. O governo parece não compreender isso.