Nota de pesar: APP lamenta falecimento do repórter cinematográfico Elizeu Ferreira da Silva, o Café

Nota de pesar: APP lamenta falecimento do repórter cinematográfico Elizeu Ferreira da Silva, o Café

Café estava internado tratando de problemas de saúde e morreu nesta quarta-feira (7), aos 66 anos

A APP-Sindicato lamenta o falecimento do repórter cinematográfico Elizeu Ferreira da Silva, conhecido no meio jornalístico como Café. O cinegrafista iniciou sua carreira em 1978 e há 20 anos era correspondente da CATVE, de Cascavel, em Curitiba.

Café estava internado tratando uma neurosarcoidose, uma doença autoimune em meados do ano passado e, nesta quarta-feira (7), após quase uma semana de internação, faleceu aos 66 anos.

O ex-secretário de comunicação da APP-Sindicato, Luiz Fernando Rodrigues lamentou em um post nas redes sociais e afirmou a importância do cinegrafista para o jornalismo paranaense.

“O nosso camarada Café era daqueles profissionais de imprensa que amava o que fazia e o fazia bem feito. Além de cinegrafista, sempre era o diretor de imagem, dava aquela dica do que dizer ou não, de como se posicionar na frente da câmera e até fazia um pouco de assessor de imprensa indicando pauta pros demais jornalistas”, conta Luiz Fernando,

O repórter começou sua carreira como contrarregra da antiga TV Iguaçu, mas logo começou a operar as câmeras de estúdio da emissora. Nos anos 1980 se tornou repórter cinematográfico e trabalhou em diversos veículos curitibanos.

Já em 2004, Café foi contratado como correspondente da emissora de Cascavel CATVE, cobrindo principalmente as pautas políticas do estado.

O velório será das 6h às 14h30 na capela do Memorial Luto Curitiba na Av. Presidente Kennedy, 1013, com entrada pela Rua Padre Isaías de Andrade, em Curitiba.
O sepultamento será no cemitério do Umbará, às 16h. Café deixa a esposa e três filhas.

Confira o post na íntegra:


:: Leia mais:

:: Seed prevê liberação de 4.500 licenças especiais para 2024; saiba tudo aqui
:: Em ajustes, novo porte de escolas gera transtornos e requer mobilização de diretores(as)
:: Militar faz ataque machista contra professora e dirigente da APP em escola cívico-militar de Apucarana

Isso vai fechar em 5 segundos

MENU