Nossa luta salva vidas: APP-Sindicato participa dos Dias Pedagógicos

Nossa luta salva vidas: APP-Sindicato participa dos Dias Pedagógicos

Durante as visitas, os dirigentes sindicais realizam um panorama sobre a educação em tempos de pandemia e reforçaram a necessidade da greve

 

Nesta semana, dirigentes estaduais da APP-Sindicato realizaram visitas em escolas para apresentar  as ações do Sindicato durante este período de pandemia. As idas aos colégios aconteceram durante dos Dias Pedagógicos, na segunda e terça-feira (19 e 20). Além de denunciar o descaso do governo com a vida dos(as) educadores(as) e estudantes, o Sindicato reforçou a necessidade de adesão à greve aprovada na última assembleia da categoria em resposta à a resolução nº 3.047/2021, a qual estabelece o retorno presencial dos(as) servidores(as) dos Núcleos Regionais e de todas instituições de ensino da rede estadual.

Assim, o governo do Estado do Paraná ignora a gravidade da pandemia, e convoca professores(as) e funcionários(as), que em sua grande maioria não receberam nem a primeira dose da vacina contra o Coronavírus, para comparecer ao trabalho presencialmente. Forçando a circulação de estudantes e da categoria tanto no sistema público de transporte, quanto nas escolas. “O governo do Paraná ignora a pandemia, em pleno inverno, contribuindo para contaminação. Neste momento, o retorno às aulas presenciais tem potencial muito alto de provocar variantes do vírus resistentes às vacinas, o que prolongaria para muito mais tempo pesadelo da pandemia”, reforça a secretária de Organização da APP-Sindicato professora Tereza Lemos. “Nas escolas encontramos professoras e funcionários de escola com muito medo de se contaminarem e se sentindo obrigados a uma exposição forçada ao vírus”, lamenta a dirigente estadual.

A APP-Sindicato orienta que a categoria se mantenha em trabalho on-line e que não faça trabalhos presenciais. A pandemia ainda não está sob controle, por isso, não é momento do retorno presencial das aulas. A professora Marlei Fernandes de Carvalho, vice-presidente da CNTE também participou das visitas às escolas  e comenta que, os educadores e educadoras estão apreensivos(as) com o retorno, pois não estão imunizados(as). “É um retorno abrupto. A categoria sente medo e relata preocupação com a forma do retorno e com esse debate da Reforma do Ensino Médio. Muitos não sabiam ou não sabem do debate. Estamos falando disso há algum tempo, precisamos que esse debate seja amplo, a Seed precisa atentar para isso”,  avalia Marlei ao relatar o esforço pedagógico da APP-Sindicato.

Nas visitas, os(as) dirigentes, apresentaram os materiais da campanha “Nossa luta salva vidas”, entre eles, o Jornal 30 de agosto especial Dias Pedagógicos, com orientações e dados técnicos sobre a disseminação do vírus nas escolas e como fazer o enfrentamento às imposições do governo estadual. O professor Paulo Sergio Vieira, secretário Executivo de Formação Político-sindical e Cultura da APP, relata que as visitas do Sindicato são, no geral, muito ansiadas pela categoria, que está apreensiva não só com a pandemia, mas com a pressão exercida pela Secretaria de Educação. “Percebemos um sentimento de medo em relação ao retorno agora e, mais ainda pela repressão que o Estado vem fazendo. Temos ainda os relatos de quem foi trabalhar e não teve internet ou o computador enviado pelo governo não funcionou, não são casos isolados. É um cenário de grande desrespeito do governo”, alerta o professor.

Leia também:

Seed publica resolução com convocação para retorno das atividades presenciais em todo Paraná