Motivos para a evasão escolar revelam desigualdades de gênero entre meninos e meninas APP-Sindicato

Motivos para a evasão escolar revelam desigualdades de gênero entre meninos e meninas

Gravidez, afazeres domésticos e cuidado de pessoas estão entre as principais causas de abandono escolar feminino

Foto: Bruna Durigan / APP

A desigualdade de gênero começa no acesso à educação. Para as mulheres, a segunda principal causa de evasão escolar é a gravidez (23,1%), enquanto para os homens, é a falta de interesse em estudar (25,5%). 

Além disso, para 9,5% das mulheres, os afazeres domésticos ou o cuidado de pessoas foram o principal motivo para terem abandonado ou nunca frequentado escola, enquanto entre homens, este percentual foi inexpressivo (0,8%).

Já a razão prioritária é a mesma para ambos os sexos: a necessidade de trabalhar. Os dados são do módulo anual sobre Educação da PNAD Contínua, do IBGE, e abarcam jovens de 14 a 29 anos que não completaram o ensino médio. 

A lógica da desigualdade se reproduz: sem acesso à educação por questões de gênero, mulheres deixam de ter acesso a trabalho digno e independência financeira.

O nível de escolaridade é o fator que mais impacta da desigualdade de remuneração. (PPGEco – UFES 2023). Assim, a permanência das meninas e adolescentes na escola é crucial para combater desigualdades, impedir a dependência financeira em uma relação abusiva e transformar a vida das mulheres.

A educação sobre gênero e sexualidade tem papel fundamental para combater a gravidez precoce, além de trabalhar a importância de partilhar a responsabilidade pelo cuidado com filhos(as) e familiares entre meninos e meninas.

Gênero no Plano Nacional de Educação

A preocupação com essa realidade foi umas das questões pautadas na Conferência Nacional de Educação (Conae 2024), realizada entre novembro de 2023 e janeiro de 2024. 

No documento final, que vai nortear a elaboração do Plano Nacional de Educação para os próximos 10 anos, propostas incluem a educação sobre gênero como uma das apostas para contribuir na superação do problema, incluindo o combate à violência contra as mulheres.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) tinha, em uma das suas primeiras versões, menções a “sexualidade e gênero” de uma forma mais crítica e reflexiva. Durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro, com a resistência de alguns setores da sociedade, o Ministério da Educação (MEC) retirou o conteúdo da versão oficial da BNCC.

Foi apenas em agosto de 2023 que o governo Lula anunciou que retomaria as atividades de educação sexual e reprodutiva por meio do Programa Saúde na Escola (decreto 1.004/2023), que contempla ações de prevenção à gravidez precoce, orientação sobre Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), além de ações de promoção da atividade física e de saúde mental.

Leia também

:: A cada 8 minutos uma menina ou mulher é estuprada no Brasil: educação de gênero é aposta para combater essa realidade

:: Composta majoritariamente por mulheres, educação tem poder de reduzir as desigualdades de gênero

:: Mulheres paranaenses têm o menor rendimento médio entre as trabalhadoras da região Sul do Brasil

:: APP realiza bate-papo com trabalhadores(as) sobre disparidades de gênero e trabalho de cuidado

:: Com baixa representatividade, mulheres negras configuram apenas 6% das vereadoras no país

:: Baixe o material especial do #8M

MENU