Mais de 10 mil pessoas participam de ato contra cortes na educação em Curitiba

85 cidades dos 26 estados e do DF receberam atos pacíficos em defesa da educação pública e contra a reforma da previdência

Foto: Eduardo Matysiak

A última terça-feira (13), foi marcada por mobilizações em todos os estados do país. Durante todo o dia, estudantes de universidades federais e estaduais, professores(as), técnicos(as) e movimentos sociais foram para as ruas em defesa da educação pública, contra a reforma da previdência e por mais empregos. Até às 19h, 85 cidades dos 26 estados e do Distrito Federal haviam tido protestos pacíficos.

Desde o governo Jair Bolsonaro (PSL) anunciar cortes na educação, em maio, esta é a terceira mobilização nacional em defesa da bandeira. A primeira foi em 15 de maio e ocorreu em ao menos 222 cidades de todos os estados e do DF. A segunda aconteceu em 30 de maio, em pelo menos 136 cidades de 25 estados e do DF.

Em Curitiba, manifestantes se reuniram em frente ao prédio da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Durante o ato, que teve início às 18h30, mais de dez mil pessoas se reuniram e realizaram uma passeata pelas ruas do centro da Capital. Estudantes de universidades federais e estaduais realizaram falas pedindo a união da população contra o desmonte da educação pública. Além de Curitiba, outras cidades paranaenses realizaram atos, como em Paranaguá, Cascavel, Francisco Beltrão, Foz de Iguaçu, entre outras.

UFPR tem recurso para apenas um mês

De acordo com informações da Administração da UFPR, a universidade dispõe de apenas R$ 7 milhões para manter as despesas não obrigatórias até o final do ano, montante que não daria nem para um mês. Nessas condições, a Universidade não teria como arcar com os custos de serviços básicos, como limpeza, energia elétrica, vigilância, restaurantes universitários e transporte para atividades didáticas. A instituição afirma ainda que a previsão é de que seja interrompida as atividades no segundo semestre, a partir do mês de setembro.

Assembleia Comunitária se posiciona contra o Future-se

No período da tarde, estudantes, professores(as) e técnicos(as) participaram da Assembleia Comunitária da UFPR. Após um amplo debate, a assembleia se posicionou contra a proposta do Ministério da Educação, o Future-se. Como encaminhamento, os(as) representantes de cada categoria, irão enviar ao presidente do Conselho Universitário da universidade, um documento expressando a negativa ao projeto. O Conselho se reunirá na próxima quinta, 15, para deliberar a posição da UFPR. Universidade como a UFRJ, UNB, UFC ente outras já se posicionaram contrárias.

Com informações do Brasil de Fato