Luto e revolta: nota sobre o feminicídio e abuso sexual da jovem Kameron

Luto e revolta: nota sobre o feminicídio e abuso sexual da jovem Kameron

Uma sociedade que sexualiza adolescentes e crianças, as colocando em situação de subalternidade e propriedade, planta e colhe a violência de gênero e a misoginia.

É com dor e sede de justiça que a Secretaria de Mulheres da APP-Sindicato manifesta profunda solidariedade com a família e colegas da jovem estudante Kameron Odila Gouveia. Kameron, aos 11 anos, foi brutalmente estuprada e assassinada a caminho da escola, em Guaraqueçaba.

Não há palavras de conforto para amenizar o horror diante da barbárie que nega o direito à vida de uma menina. Mas, junto ao Núcleo Sindical de Paranaguá, nos colocamos à disposição dos(as) familiares para o que for preciso.

Cabe dizer que uma sociedade que sexualiza adolescentes e crianças, as colocando em situação de subalternidade e propriedade, planta e colhe a violência de gênero e a misoginia. No abuso sexual e no feminicídio, o machismo revela sua face mais bestial e covarde, mas está sempre presente em suas múltiplas manifestações..

Reconhecê-lo e denunciá-lo em todas as suas formas é, portanto, uma questão de sobrevivência.

Nossa luta por uma sociedade livre do machismo estrutural e pelo direito das mulheres a uma vida plena e sem violência continua. Clamamos pela rápida identificação e rigorosa punição do autor desta barbárie e reforçamos os votos de solidariedade e apoio à família e comunidade escolar.

Até que todas sejamos livres!

Isso vai fechar em 0 segundos

MENU