Na luta! Servidores(as) tomam as ruas de Curitiba por respeito e #DataBaseJá

Na luta! Servidores(as) tomam as ruas de Curitiba por respeito e #DataBaseJá

A semana começa com a expectativa do envio de uma proposta de reposição à Assembleia Legislativa, de acordo com entrevista de Ratinho Jr

O sol de quase 30º C não intimidou os(as) centenas de educadores(as) e servidores(as) – muitos vindos do interior do Paraná – que tomaram as ruas de Curitiba nesta segunda-feira para exigir a reposição das perdas acumuladas em seis anos de salários congelados.

O ato, organizado pelo Forum de Entidades Sindicais (FES) e a União das Forças de Segurança (UFS), começou na Praça Tiradentes, no coração da capital, e parou o trânsito em caminhada até o Palácio Iguaçu. O recado foi claro: o funcionalismo não aceitará migalhas: o pagamento da data-base é urgente.


“Não estamos pedindo aumento. Estamos pedindo a correção da inflação, que é o que a constuição e a Lei da Data-Base nos garantem”, explica Hermes Leão, presidente da APP-Sindicato.  “Sem a reposição, nossas perdas podem chegar a 38% em maio do próximo ano. É inaceitável.” 

Dinheiro tem, falta vontade

O funcionalismo contesta os números da situação fiscal do Estado apresentados pelo governo Ratinho Jr. De acordo com a equipe econômica do FES, a perspectiva é que a receita atinja R$ 53,4 bilhões, com um superávit de quase R$ 5 bilhões. 

Enquanto deixa trabalhadores(as) na miséria, o governo pretende aumentar de R$ 12 bi para R$ 17 bi as isenções fiscais concedidas a setores diversos da economia, incluindo grandes empresários(as) e o agronegócio.

“A reposição é um direito nosso. Não estamos pedindo um favor. Mas é preciso pressionar e disputar o orçamento”, avalia Ricardo Miranda, um dos coordenadores do FES. 

A professora Marlei Fernandes, também coordenadora do FES, destacou a importância do ato: “a nossa luta é todo dia, mas mobilizações como esta e a que ocorreu em Foz do Iguaçu são fundamentais para desmentir o governo e mostrar que não aceitaremos mais essa situação de calamidade”, afirma.

Já no Palácio Iguaçu, os(as) dirigentes homenagearam os(as) aposentados(as) presentes, duramente atingidos pelo aumento das alíquotas previdenciárias após anos de contribuição à sociedade.

A semana começa com a expectativa do envio de um Projeto de Lei à Assembleia com proposta de reposição, de acordo com entrevista de Ratinho Jr à CBN. No entanto, o ajuste não foi debatido com os servidores(as), escancarando mais uma vez o caráter autoritário do governo.

“Este governador, antes de sentar no seu gabinete, sentou com os servidores para se fazer de bom moço. Agora não se digna nem a mandar um assessor para conversar conosco. Ano que vem, quando vier nos procurar por causa das eleições, vamos dizer um grande não. Um grande fora Ratinho!”, concluiu Nádia Brixner, secretária de Funcionários(as) da APP.