Lista de colégios com os maiores Ideb da rede estadual não tem nenhum cívico-militar APP-Sindicato

Lista de colégios com os maiores Ideb da rede estadual não tem nenhum cívico-militar

Análise de dados do MEC mostra que escola cívico-militar com melhor posição no ranking registrava maior ritmo de crescimento no desempenho dos(as) estudantes quando não era militarizada

Anunciados pelo governo Ratinho Jr. como se fossem uma fórmula mágica para melhoria da educação, todos os colégios Cívico-Militares implantados na rede estadual apresentam resultados no Ideb inferiores ao de dezenas de escolas com gestão democrática. 

:: Receba notícias da APP no Whatsapp ou Telegram

É o que mostra uma análise realizada pela APP-Sindicato nos dados do Ideb 2021, divulgados pelo Ministério da Educação. No ranking das 30 escolas com maior nota no ensino médio, por exemplo, nenhuma é cívico-militar. O Colégio Estadual de Laranjeiras do Sul lidera a lista. A escola obteve nota 6,2, índice 34% maior do que a média do estado. 

Já o colégio militarizado com a melhor pontuação é o Cândido Rondon, do município de Campo Mourão. Mas o índice obtido pelo estabelecimento em 2021 (5,5) se manteve estável em relação ao levantamento anterior (5,4).

Analisando o histórico do Ideb da escola Cândido Rondon, além de concluir que a presença dos militares dentro da escola não resultou em melhoria significativa no Ideb, também é possível observar uma queda no ritmo de crescimento que os(as) alunos(as) vinham registrando nas avaliações.

Isso fica demonstrado pela nota do Saeb, indicador que mede o desempenho em português e matemática e que é utilizado no cálculo do Ideb. Em 2017, a média da escola foi 5,02. Em 2019, cresceu 0,43 e alcançou a nota de 5,45. Já em 2021, na gestão militarizada, o incremento foi de apenas 0,1, resultando na média de 5,55.

O desempenho das escolas cívico-militares no Ideb não seria um problema se o governo não usasse a suposta melhoria nos índices educacionais para fazer propaganda do programa. Ocorre que as alegações não correspondem à realidade. 

Como já demonstrado recentemente, outra afirmação do governo sobre o Ideb das escolas militarizadas é falaciosa. O crescimento do Ideb “3% acima da média da rede” se deve à exclusão de milhares de estudantes do ensino noturno, uma vez que as instituições que aderem ao programa perdem a modalidade, cujos altos índices de evasão impactam no Ideb.

:: Reportagem do Plural escancara farsa do Ideb de escolas cívico-militares

Confira abaixo a lista das 30 escolas da rede estadual com maior Ideb no ensino médio. Nenhuma delas é cívico-militar.

As escolas militares – mantidas pela PM, com mais recursos, seleção de alunos e profissionais melhor remunerados – foram excluídas do ranking pois não são comparáveis às escolas regulares ou cívico-militares

Escola não é quartel

O Programa de Escolas Cívico-Militares (Pecim) foi adotado em cerca de 200 escolas estaduais no primeiro mandato do governo Ratinho Jr. Até hoje, não há notícia de resultados positivos, mas o governador anunciou recentemente um novo processo para militarizar mais 127 escolas em todo o estado.

O programa não destina qualquer recurso a mais para as escolas. Pelo contrário, retira recursos da educação para pagar uma generosa gratificação a militares aposentados(as). O valor é R$ 5,5 mil, maior do que o piso dos(as) professores(as) e o suficiente para pagar o salário básico de quatro funcionários(as) (Agentes I). É o maior cabide de emprego para militares aposentados(as) do Brasil.

Saiba mais: Escola Não é Quartel: 7 motivos para dizer não às escolas cívico-militares

Com vários escândalos denunciados em todo país, esse modelo de gestão escolar se notabilizou por graves episódios de violência contra menores, abuso de autoridade e corrosão da gestão democrática. Trata-se de um modelo falido, ultrapassado e cuja única sustentação é ideológica.

Além disso, nas escolas militarizadas o governo encerra a oferta do ensino noturno, da Educação de Jovens e Adultos e dos cursos técnicos, prejudicando milhares de estudantes e adultos que trabalham durante o dia ou que não terminaram os estudos na idade certa.

Outro agravante é o fato de que a direção deixa de ser eleita pela comunidade e passa a ser indicada pelo governo. Os estudantes também são obrigados a aderir a normas estéticas arbitrárias, como cortes de cabelo específicos, e outras proibições.

Leia também

>> Nova onda de militarização de Ratinho Jr. prevê abandonar 8 mil estudantes do ensino noturno

>> Abuso de autoridade de PM no CEP expõe despreparo de militares para atuarem no ambiente escolar

>> Governo Ratinho Jr. decide fechar as portas para educação de jovens e adultos em nove escolas de Curitiba

>> “Vou abrir mão do meu sonho”; encerramento da EJA no João Paulo II obriga estudante a abandonar ensino médio

MENU