Leis sobre formação e promoção da saúde dos(as) educadores(as) são sancionadas por Governo Federal

Leis sobre formação e promoção da saúde dos(as) educadores(as) são sancionadas por Governo Federal

Novas leis têm o objetivo de promover a saúde e proporcionar a formação continuada dos(as) trabalhadores(as)

Foto: APP-Sindicato

Na última semana, o Governo Federal sancionou duas leis que fortalecem a aplicação de políticas de saúde e capacitação para educadores(as) do ensino básico.

>> Receba notícias da APP no seu Whatsapp ou Telegram

As Lei 14.681/2023 e 14.679/2023, ambas de relatoria da senadora Teresa Leitão (PT-PE) , têm o objetivo de promover a saúde e proporcionar a formação continuada sobre direitos das crianças e adolescentes. Os programas foram sancionados por Geraldo Alckmin, que na data (20), era o presidente em exercício.

De acordo com o texto, a lei 14.681/2023 busca a implementação de programas para a saúde, bem-estar, valorização e qualidade de vida no trabalho, além de garantir ações de prevenção a doenças relacionadas ao ambiente de trabalho. 

Já a 14.679/2023 altera a lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) e a Lei Orgânica da Saúde, incluindo a proteção dos direitos de crianças e adolescentes na base da formação de profissionais educadores. A capacitação instruirá os profissionais da educação básica a saber identificar sinais de maus-tratos, negligência e abuso sexual praticados contra crianças e adolescentes.

Vale ressaltar que o dever dos(as) educadores(as) não será de diagnóstico, mas sim ter a sensibilidade para identificar que algo diferente está acontecendo com a criança e precisa ser investigado.

Com a sanção, União, Estados e o Distrito Federal terão o prazo de um ano para construir os planos colaborativos, estimulando práticas de promoção ao bem-estar no trabalho, de forma sustentável, humanizada e duradoura.


:: Leia mais:

:: Imposição de plataformas digitais agrava exclusão de estudantes com deficiência na rede estadual
:: MEC prepara plano para retomar política de educação inclusiva; investimentos podem chegar a R$ 3 bilhões
:: Investimento em educação despencou com Bolsonaro e Brasil fica entre os piores em ranking da OCDE

Isso vai fechar em 0 segundos

MENU