Justiça condena governo Ratinho Jr. por assédio moral praticado contra professor em cívico-militar APP-Sindicato

Justiça condena governo Ratinho Jr. por assédio moral praticado contra professor em cívico-militar

Professor foi vítima de perseguição e humilhação por militar aposentado colocado na direção da escola por indicação do governo após militarização

Foto: Geraldo Bubniak/AEN

O governo do Paraná foi condenado a indenizar um professor vítima de assédio moral e perseguição em uma escola cívico-militar de Toledo, região oeste do estado. A decisão da Justiça reconheceu que o docente foi alvo de tratamentos abusivos e ofensas praticadas por um militar aposentado colocado na direção da escola por indicação da gestão Ratinho Jr., após o estabelecimento ser militarizado.

Professor de Geografia há mais de 14 anos, Esion Fernando, relata que começou a perceber o tratamento abusivo após fazer atividades na escola relacionadas a temas como a ditadura militar e o Dia Internacional da Mulher. 

O professor passou a ser o único chamado pela direção para assinar atas e teve atividades restringidas. Mas o ápice foi um episódio de humilhação durante uma reunião do conselho de classe que debatia, entre outras questões, soluções para enfrentar o alto índice de reprovação das turmas de ensino médio da escola.

“Eu sugeri uma campanha de valorização dos professores, com a frase de que a melhor plataforma de ensino, é um professor, uma professora, e pedi para que colocasse isso no saguão. Ele [o militar] se levantou no meio do conselho de classe, no meio de 20 professores, e me ofendeu publicamente me chamando de pateta”, conta.

Essa agressão aconteceu no dia 29 de abril do ano passado. A data recorda um dia histórico para a categoria, quando o governo Beto Richa ordenou a Polícia Militar reprimir com bombas de gás e bala de borracha uma manifestação pacífica dos professores(as), realizada no ano de 2015, em Curitiba.

Fernando afirma que a agressividade do militar causou indignação aos colegas presentes na reunião. Segundo o professor, o diretor indicado pelo governo Ratinho Jr. recusou se retratar e ainda teria afirmado que manteria suas palavras, no caso o xingamento, até diante de um tribunal.

Outras formas de perseguição continuaram e o professor denunciou a situação ao Núcleo Regional de Educação, mas o procedimento foi arquivado sob a justificativa de que “a direção estava apenas cumprindo ordens”. Foi então que o docente decidiu levar o caso à justiça.

Após analisar as provas apresentadas e ouvir testemunhas, a juíza responsável pelo caso concluiu que ficou comprovada “a perseguição política, assédio moral ou represálias” praticadas pelo militar aposentado.

Trecho da sentença que condenou o governo Ratinho Jr. por assédio praticado por militar aposentado contra professor em colégio cívico-militar

“Quando o superior hierárquico, por questões de relacionamento pessoal, cobra seus subalternos de modo reiterado e com evidente intuito de desprestigiá-los perante outros servidores, a ponto de causar-lhes consideráveis constrangimentos psíquicos, o assédio moral resta caracterizado. E, no caso, foi justamente isso o que ocorreu”, diz a sentença.

A magistrada considerou ainda que o professor teve a sua saúde agravada pelas represálias a que estava sendo submetido no local de trabalho. Esion relata ter sido diagnosticado com sintomas da síndrome de burnout e que foi obrigado a se afastar da sala de aula por 45 dias para tratar da sua saúde. 

A indenização foi fixada em R$ 8 mil. Apesar de considerar que o valor é incapaz de recuperar os danos causados à sua saúde, o professor considera a decisão uma vitória importante para a categoria e para a luta contra as escolas cívico-militares.

“Isso confirma aquilo que a gente já defendia no passado, que essas escolas servem para perseguição, para repressão da categoria, da liberdade de ensinar e de aprender”, diz, destacando que contou com o apoio de vários colegas como testemunhas dos abusos cometidos pelo militar aposentado. “Então não foi só uma resposta individual, mas uma resposta de conjunto.”

>> Denuncie aqui casos de abuso em escolas cívico-militares

Abusos e violações de direitos

Essa condenação do Estado do Paraná por assédio moral e perseguição contra professor em um colégio cívico-militar coincide com uma explosão de denúncias de abusos e violação de direitos em escolas que migraram para esse modelo de ensino implantado pela gestão Ratinho Jr..

A decisão também ocorre dias após o avanço da Ação Direta de Inconstitucionalidade 6791, que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF), contra a lei estadual que institui o Programa Colégios Cívico-Militares (Pecim) em escolas públicas da rede estadual do Paraná.

A ADI 6791 foi protocolada em 2021, mas estava parada. Na semana passada, o ministro relator da ação, Dias Toffoli, acatou um pedido para aditamento da ação, acolhendo o argumento de que o governo editou novas normas que mantêm o programa. Segundo o ministro, os atos do governo Ratinho Jr. também apresentam indícios de tentativa de prejudicar o julgamento do caso.

“Após renovadas as informações pelos requeridos e a manifestação do Advogado-Geral da União e do Procurador-Geral da República, seja este processo julgado pelo Plenário em caráter definitivo”, despachou Toffoli.

Desde o início deste ano, a APP-Sindicato tem recebido e divulgado uma série de denúncias de abuso e violações de direitos das crianças e adolescentes em escolas cívico-militares no Paraná. Os casos foram relatados por mães, pais e estudantes. Monitores militares são acusados de situações como racismo e exposição dos(as) estudantes a punições, constrangimento e condições vexatórias.

Um militar coagiu um estudante negro a cortar o cabelo no padrão militar para não ser confundido com bandido. Em outra escola, uma mãe de adolescente negro relata que o medo passou a fazer parte da sua rotina porque teme seu filho negro ser punido por usar cabelo afro e brinco.

O pai de um menino, que também tem o cabelo grande, procurou o Ministério Público para denunciar atitudes de monitores militares. Segundo ele, as “crianças estão sendo punidas e castigadas”. Em Apucarana, estudantes são proibidos de ser quem são e até o boné, símbolo da cidade, é criminalizado no ambiente escolar.

:: Saiba mais
>> “Parece uma prisão”: estudantes denunciam práticas abusivas em escolas cívico-militares no Paraná
>> MP recebe denúncias e abre procedimento para investigar abusos em colégios cívico-militares
>> Estudante negro sofre racismo em colégio cívico-militar do Paraná por corte de cabelo
>> Casos de violência explodem em cívico-militares do Paraná; militares lavam as mãos ou apoiam agressões
>> Escola Não é Quartel: 7 motivos para dizer não às escolas cívico-militares

Inconstitucional

O Programa de Escolas Cívico-Militares (Pecim) foi adotado em cerca de 200 escolas estaduais no primeiro mandato do governo Ratinho Jr. Até hoje, não há notícia de resultados positivos, mas o estado já conta com 312 estabelecimentos nesta modalidade.

A iniciativa não destina qualquer recurso a mais para as escolas. Pelo contrário, retira recursos do Estado para pagar uma generosa gratificação a militares aposentados(as). O valor é R$ 5,5 mil, maior do que o piso dos(as) professores(as) e o suficiente para pagar o salário básico de quatro funcionários(as) (Agentes I). É o maior cabide de emprego para militares aposentados(as) do Brasil.

Um dos argumentos utilizados por defensores do modelo é o fato da mudança ser precedida por uma votação com a participação de integrantes da comunidade escolar. Mas, além das inúmeras irregularidades que colocam em xeque a legitimidade da consulta, a vedação ao suposto processo de escolha está na Constituição.

É o que explica a especialista em educação e integrante da Rede da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Catarina de Almeida Santos, em entrevista concedida à reportagem da APP-Sindicato sobre os perigos, violações de direitos e ilegalidades das escolas cívico-militares. Pais, mães, educadores(as) e estudantes não têm direito a voto para militarizar escolas públicas. A proibição está na Constituição.

“A comunidade escolar não pode escolher militarizar ou não a escola, porque ela não é legislativa. Ora, não existe essa modalidade legalmente. Como é que a comunidade pode sair decidindo coisas que não estão previstas na lei?”, diz, lembrando também que estados e municípios não podem criar leis sobre o sistema de educação, pois o tema é de competência exclusiva da União.

Saiba mais:  Constituição não autoriza comunidade escolar a decidir sobre militarização de escolas, alerta especialista

Retrocesso

Com vários escândalos denunciados em todo país, esse modelo de gestão escolar se notabilizou por graves episódios de violência contra menores, abuso de autoridade e corrosão da gestão democrática. Trata-se de um modelo falido, ultrapassado e cuja única sustentação é ideológica.

Além disso, nas escolas militarizadas o governo encerra a oferta do ensino noturno, da Educação de Jovens e Adultos e dos cursos técnicos, prejudicando milhares de estudantes e adultos que trabalham durante o dia ou que não terminaram os estudos na idade certa. Outro agravante é o fato de que a direção deixa de ser eleita pela comunidade e passa a ser indicada pelo governo. 

Anunciados pelo governo Ratinho Jr. como se fossem uma fórmula mágica para melhoria da educação, todos os colégios cívico-militares implantados na rede estadual apresentam resultados no Ideb inferiores ao de dezenas de escolas com gestão democrática. 

Um levantamento da APP-Sindicato com dados do Ideb 2021, divulgados pelo Ministério da Educação, mostra que, das 30 escolas com maior nota no ensino médio, nenhuma é cívico-militar.

 

:: Leia também

>> Governo Ratinho Jr. prometeu, mas não entrega uniformes para estudantes de colégios militarizados
>> Para o Ministério Público Federal, padronização e patrulha estética em escolas cívico-militares é ilegal e precisa acabar
>> Militar faz ataque machista contra professora e dirigente da APP em escola cívico-militar de Apucarana
>> 44 escolas dizem não à militarização e sim à gestão democrática
>> Lista de colégios com os maiores Ideb da rede estadual não tem nenhum cívico-militar
>> Governo Ratinho Jr. decide fechar as portas para educação de jovens e adultos em nove escolas de Curitiba
>> “Vou abrir mão do meu sonho”; encerramento da EJA no João Paulo II obriga estudante a abandonar ensino médio
>> Reportagem do Plural escancara farsa do Ideb de escolas cívico-militares
>> Nova onda de militarização de Ratinho Jr. prevê abandonar 8 mil estudantes do ensino noturno
>> Escolas cívico-militares acentuam autoritarismo e desigualdades, aponta dirigente da APP em debate sobre violência na escola
>> Abuso de autoridade de PM no CEP expõe despreparo de militares para atuarem no ambiente escolar

MENU