Justiça concede liminar e impede Ratinho de cancelar sindicalizações

De acordo com a decisão, atitude do governador é inconstitucional e traz prejuízos aos(às) servidores(as) públicos

Justiça concede liminar e impede Ratinho de cancelar sindicalizações - Foto: APP-Sindicato

O juiz da 3ª Vara da Fazenda Pública da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba, Jailton Juan Carlos Tontini, concedeu liminar suspendendo os efeitos dos decretos n. 3.808/2020 e n. 3.978/2020 do governador Ratinho Junior, que obrigavam os(as) servidores(as) públicos a fazer um recadastramento para manter o desconto da mensalidade sindical na folha de pagamento. Cabe recurso.

Pela decisão, divulgada nesta quarta-feira (25), o juiz proíbe que sejam canceladas ou suspensas “a consignação do valor da mensalidade das associações e sindicatos autores – APP-SINDICATO, SINDSAÚDE, SINDIPOL, SINDARSPEN, UPC/PR, SENGE/PR, SINTEEMAR, SINDISEAB e ASSEF – na folha de pagamento dos filiados por ausência de
recadastramento ou validação da autorização expressa anteriormente concedida”.

De acordo com o juiz, o decreto editado pelo governador é ilegal. “Os decretos estaduais objeto desta demanda, ao imporem a necessidade de recadastramento e validação do desconto facultativo já autorizado expressamente, sob pena de seu cancelamento, criam obrigação e penalidade não previstas em lei, extrapolando o poder regulamentar, ao qual se limitam os decretos, evidenciando ilegalidade”, escreveu o magistrado.

O juiz acrescenta que a iniciativa do governador viola o princípio constitucional da razoabilidade. “O cancelamento do desconto da mensalidade pela administração pública sem qualquer pedido do filiado poderá, em tese, ensejar a interrupção de serviços que são prestados aos sindicalizados ou associados e seus dependentes, como é o caso de planos de saúde, o que possui especial gravidade diante da pandemia que enfrentamos”, argumentou.

Em outro trecho, o juiz destaca que “a autorização expressa (do desconto da mensalidade) não possui prazo de validade, de acordo com a lei. Uma vez concedida, até sua revogação, ou seja, solicitação em sentido contrário daquele que a concedeu, a autorização de desconto é válida”.

Decisão comprova perseguição do governo

Para a integrante da coordenação do Fórum das Entidades Sindicais (FES), Marlei Fernandes, essa decisão confirma o desprezo que o governador Ratinho Junior tem sobre os(as) servidores(as) públicos.

“Essa é uma vitória importante e comprova que o governo tem perseguido os sindicatos por lutar pelos direitos dos trabalhadores que atendem a população na educação, na saúde, na segurança, no meio ambiente, nas universidades. Vamos seguir em frente e manter nossa luta e mobilização em defesa do serviço público e contra as medidas ilegais e autoritárias”, afirmou Marlei.

Para o secretário de Assuntos Jurídicos da APP-Sindicato, professor Mário Sérgio Ferreira de Souza, a concessão da liminar e a fundamentação da decisão demonstram que o decreto é “antissindical e perverso” e não deve prosperar.

“A escolha de quem deseja fazer a luta sindical e financia livre e expressamente o seu sindicato não pode ser arbitrariamente suplantada pelo governador. O sindicato é ferramenta de organização e luta da classe trabalhadora e é mais necessário do que nunca”

O presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Silva Leão, comemorou a decisão e comentou esperar que o governador cumpra a liminar sem cometer mais injustiças contras os(as) servidores(as) e os sindicatos.

“Entendemos que é uma decisão liminar, mas diante da gravidades dos atos praticados pelo governador esperamos que ela seja mantida nas instâncias superiores, pois o único objetivo do governo é destruir quem defende os servidores e os serviços públicos que são prestados ao povo paranaense”, destacou Hermes.

O decreto

Inicialmente o decreto recebeu o número 3.793/2019, publicado no dia 20 de dezembro de 2019, mas foi substituído dias depois pelo decreto 3.808/2020, publicado no dia 8 de janeiro de 2020 e alterado pelo decreto n. 3.978/2020.

Com a medida, o governo exigia que os servidores públicos realizassem até o último dia 10 de março um procedimento burocrático para revalidar uma autorização já apresentada pelo(a) servidor(a), que permite sua filiação ao sindicato ou associação que representa a sua categoria e o desconto da mensalidade na folha de pagamento.

Pelas regras impostas, o servidor precisava acessar a internet utilizando um e-mail institucional e senha, imprimir duas vias de um documento e ainda entregar o papel pessoalmente no departamento de recursos humanos ou na Paranaprevidência, no caso dos(as) aposentados(as).

O Ministério Público do Trabalho (MPT) realizou várias audiências de mediação. Os sindicatos pediam a revogação e o MPT sugeriu a suspensão do decreto por 12 meses, mas o governo se manteve irredutível, não aceitou nenhuma proposta.

Orientação da APP-Sindicato

Diante dos constantes ataques que o governo Ratinho Junior tem promovido contra as entidades, a APP-Sindicato tem orientado os(as) servidores(as) que possuem desconto da mensalidade sindical na folha de pagamento a fazer migração para débito automático nos bancos conveniados. Clique aqui para saber como garantir seus direitos e manter sua sindicalização.

Leia também

Procurador vê grande risco para servidores(as) em decreto de Ratinho

Aposentados(as) estão revoltados(as) com decreto imposto por Ratinho Junior

Governo mantém decreto que prejudica servidores(as) do Paraná

tutela-provisoria-de-urgencia-consignado