Jogo gratuito utiliza temática indígena para promover diversidade nas escolas

Jogo gratuito utiliza temática indígena para promover diversidade nas escolas

Destinado a alunos(as) e professores(as) de escolas de educação infantil e ensino fundamental I, Kawã na Terra dos Indígenas Maraguá explora a rica cultura e mitologia indígena

Foto: Hugo Cestari

Inovando na construção de projetos educacionais para promoção da diversidade nas escolas, o Laboratório de Pesquisa Linguagens em Tradução (Leetra) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) lançou o jogo digital Kawã na Terra dos Indígenas Maraguá.

Destinado a alunos(as) e professores(as) de escolas de educação infantil e ensino fundamental I, o game tem o objetivo de subsidiar práticas de alfabetização e letramento interdisciplinares.

:: Para baixar o jogo, acesse o link, aprenda e se divirta!

O desenvolvimento do jogo foi liderado pela pesquisadora Maria Silvia Cintra Martins, professora sênior do Departamento de Letras da UFSCar, e apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Vale ressaltar que o Leetra trabalha com o estudo de línguas e literaturas indígenas e o letramento e comunicação interculturais, trabalhando na recriação de lendas indígenas no formato de jogos digitais. 

Anteriormente o Leetra já havia lançado um jogo digital na mesma linha, intitulado Jeriguigui e o Jaguar na Terra dos Bororos, que utiliza de mitos indígenas para criar elementos narrativos que exploram e promovem a cultura a partir da sua jogabilidade.

No jogo, alunos(as) poderão encontrar elementos culturais típicos da cultura tradicional maraguá, além de referências da luta política do povo Maraguá em defesa de suas terras. O grupo étnico vive no Baixo Amazonas, nas margens do Rio Abacaxis (afluente da margem direita do Amazonas, entre o Madeira e o Tapajós), divididos em três aldeias no município de Nova Olinda do Norte.  

Outro elemento importante é a incorporação de traços culturais como a concepção de clãs dos Maraguás, utilizado principalmente na história de Kawã, protagonista do jogo. O personagem faz parte do Clã do Gavião, um dos seus clãs, cujas famílias têm um ancestral comum. Culturalmente na etnia existem os clãs do Gavião, da Vespa, do Boto, da Onça-Pintada, da Sucuri e do Peixe-Elétrico. 

Como desafio proposto no jogo, Kawã passa pelo pelo ritual do Wakaripé, ao qual as crianças se submetem com cerca de 10 anos, e que marca a transição da infância para a vida adulta. Depois, aos 15 anos, enfrenta o ritual bem mais desafiador do Gualipãg, que credencia o indivíduo a se tornar caçador-guerreiro-chefe. 

Além da descrição dos rituais, a equipe do Leetra utilizou como referência para o jogo a literatura maraguá, na qual se destacam os escritores e escritoras indígenas Elias Yaguakãg, Lia Minapoty, Roni Wasiry Guará, Uziel Guaynê e Yaguarê Yamã, sobre os quais é possível encontrar com facilidade referências biográficas e indicações de obras na internet.


:: Leia mais:

:: Professor da rede estadual pode se tornar primeiro indígena do Paraná a conquistar doutorado
:: Ao lado dos povos indígenas, APP repudia aprovação do Marco Temporal na Câmara dos Deputados
:: Por uma educação antirracista: conteúdos para trabalhar em sala de aula

Isso vai fechar em 5 segundos

MENU