Interessado(a) em ser doador de órgãos agora pode registrar autorização em site ou app do CNJ APP-Sindicato

Interessado(a) em ser doador de órgãos agora pode registrar autorização em site ou app do CNJ

A novidade quer aumentar o número de transplantes no Brasil e tornar processo de doação mais ágil e seguro para as famílias

Foto: Albari Rosa/Arquivo AEN

A partir de terça-feira (2), aqueles(as) que desejam ser doadores(as) de órgãos poderão registrar sua vontade em um site ou em um aplicativo do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A iniciativa faz parte de uma campanha em parceria com os cartórios e o Ministério da Saúde para estimular as doações.

De acordo com a legislação brasileira, a autorização para doação em casos de morte encefálica depende da família do paciente. Esse procedimento não será alterado, porém, a campanha visa tornar a intenção de doar mais transparente e auxiliar os(as) familiares na tomada de decisão.

A nova ferramenta é chamada de Autorização Eletrônica de Doação de Órgãos (AEDO), uma forma eletrônica de autorizar a doação de órgãos, tecidos e partes do corpo humano. O registro é gratuito e está disponível pelo site www.aedo.org.br ou pelo aplicativo e-Notariado. 

A emissão do AEDO permitirá ao Sistema Nacional de Transplantes acessar a autorização, que poderá ser apresentada à família, confirmando o desejo do(a) doador(a).

Atualmente, no Brasil, 42 mil pessoas estão na fila aguardando por um transplante. Desse total, 500 são crianças. Mesmo com número recorde de transplantes realizados no ano passado no país, 3 mil pessoas faleceram antes de encontrar um doador compatível.

Passo a passo

O primeiro passo para fazer a AEDO é possuir um Certificado Digital Notarizado ou Certificado ICP-Brasil, necessário para acessar a área restrita e assinar digitalmente o documento.

Quem não possui um Certificado Digital Notarizado pode solicitar gratuitamente em um cartório credenciado. Veja aqui como fazer.

Com o certificado digital, o(a) interessado(a) em doar órgãos preenche um formulário diretamente no sistema e-Notariado. Na sequência, o(a) tabelião agenda uma sessão de videoconferência para identificar o(a) interessado(a) e coletar a sua manifestação de vontade.

O(a) solicitante e o(a) notário assinam digitalmente a AEDO. Concluídas essas etapas, a autorização fica disponível para consulta pelos(as) responsáveis do Sistema Nacional de Transplantes.

 

MENU