Hora-atividade: APP ingressa na Justiça com mandado de segurança para garantir que direito seja cumprido em 2024

Hora-atividade: APP ingressa na Justiça com mandado de segurança para garantir que direito seja cumprido em 2024

Medida visa assegurar que o governo respeite o direito dos(as) professores(as) antes da distribuição de aulas

A APP-Sindicato ingressou na Justiça nesta quinta-feira (12) com mandado de segurança cível para que o secretário estadual de Educação, Roni Miranda, respeite a hora-atividade dos(as) professores(as) em 2024, conforme determina a legislação (7 horas de hora-atividade para cada 20 horas trabalhadas).

A resolução de distribuição de aulas da Seed segue utilizando o método da hora-relógio, contrariando a legislação e excluindo pedagogos(as), intérpretes afastados(as) de função e readaptados(as).

A hora-atividade vem sendo descumprida pela Secretaria da Educação desde 2017, resultando em uma batalha judicial que se arrasta há seis anos. Embora o Sindicato tenha vencido ações anteriores no TJ e no STJ, o Judiciário tem encontrado dificuldades para fazer cumprir as decisões. 

“Nossa hora-atividade permanece judicializada, mas o governo não faz o reconhecimento da Lei 174 e seu anexo. Então, mais uma vez a APP tem que recorrer à Justiça em relação a isso, inclusive na Justiça”, explica Marlei Fernandes, secretária de Assuntos Jurídicos da APP.

A ação ingressada nesta quarta-feira (12) visa garantir que a Secretaria de Educação reconheça o direito à hora-atividade já na distribuição de aulas para o ano que vem. 

Nos anos anteriores, a Justiça paranaense, mesmo reconhecendo o direito, alegava que não poderia obrigar o Estado a rever a organização da hora-atividade após a distribuição de aulas. 

A APP reivindica a garantia da hora-atividade tendo como base o cálculo da hora-aula e que o direito também seja assegurado para pedagogos(as), intérpretes afastados(as) de função e readaptados(as). 

A hora-atividade é parte também das reivindicações feitas pela APP à Seed nesta quarta-feira (13), para que sejam impugnados dispositivos da resolução de distribuição de aulas do ano letivo de 2024.

Essa iniciativa tem como objetivo a correção de injustiças e a retirada de critérios que penalizam os(as) educadores(as).

A data da distribuição de aulas também é uma preocupação, pois essa definição ficou omissa no texto da resolução. A APP pediu à Seed a garantia de que o processo não ocorra dentro do período de recesso escolar, para não incorrer em ilegalidade caso os(as) profissionais de educação tenham que acompanhar os e-mails institucionais durante o recesso.

Isso vai fechar em 5 segundos

MENU