Governo mantém decreto que prejudica servidores(as) do Paraná

Governo mantém decreto que prejudica servidores(as) do Paraná

O prazo de recadastramento se encerre nesta terça-feira (10) e pode gerar prejuízos aos(às) servidores(as)

Durante a reunião sobre o decreto 3978/2020 nesta segunda-feira (09), os(as) representantes do governador Ratinho Jr. decidiram interromper a negociação com o Fórum das Entidades Sindicais (FES) e associações de servidores(as) e anunciaram que vão seguir com o decreto antissindical que prejudica dezenas de milhares de servidores(as).

Como o governo não aceitou a proposta do FES de revogação do decreto, ou, pelo menos, de sua suspensão para que a matéria fosse melhor discutida, sindicalistas e representantes de associações se reúnem na manhã desta terça-feira, 10, para avaliar as ações jurídicas e políticas que serão tomadas a respeito. “Encerramos a mesa de mediação mas não vamos parar de lutar. Vamos derrotar o decreto antissindical e vamos fortalecer nossas entidades para continuar lutando por nossos direitos, tanto no âmbito estadual como federal”, afirmou a professora Malei Fernandes, da coordenação do FES.

Prazo encerra nesta terça-feira

O prazo final estabelecido pelo decreto antissindical é dia 10 de março. O(a) servidor(a) que não fizer o procedimento burocrático exigido pelo governo para que suas mensalidades continuem sendo descontadas em folha de pagamento podem ter vários prejuízos. Os mais sensíveis são convênios de saúde atrelados à filiação em sindicatos e associações e outros convênios como auxílio funeral, programas de descontos em farmácias e clínicas.

Na avaliação dos(as) sindicalistas, a intenção do governador Ratinho Jr. com esse decreto sempre foi atingir parte da fonte de renda dos sindicatos e associações. No entanto, a medida pode prejudicar os servidores da ativa e principalmente pensionistas e aposentados(as) com a descontinuação de convênios.

Isso vai fechar em 5 segundos

MENU