Governo federal investe R$ 1,5 bi em plano para reduzir desigualdades entre a juventude negra APP-Sindicato

Governo federal investe R$ 1,5 bi em plano para reduzir desigualdades entre a juventude negra

O Plano Juventude Negra Viva foi articulado pelo Ministério da Igualdade Racial e pela Secretaria-Geral da Presidência da República

Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil

No último dia 21 (quinta-feira), o governo federal lançou o Plano Juventude Viva, programa que prevê investimento de mais de R$ 665 milhões nos próximos anos em ações transversais de 18 ministérios para a redução da violência letal e outras vulnerabilidades sociais que afetam a população negra, principalmente jovens. 

:: Receba notícias da APP pelo Whatsapp ou Telegram

Considerando políticas que englobam os jovens negros, mas não são exclusivas para este público, o montante ultrapassa R$ 1,5 bilhão.

O Plano Juventude Negra Viva foi articulado pelo Ministério da Igualdade Racial e pela Secretaria-Geral da Presidência da República a partir de uma consulta participativa realizada em 2023 em todos os estados, onde cerca de 6 mil jovens foram ouvidos sobre demandas afirmativas.

Segundo o governo, a juventude negra representa aproximadamente 23% da população brasileira e a principal demanda do grupo é “viver em um país que respeita e investe na vida dos jovens negros”. Com isso, o plano tem o intuito de promover mudanças estruturantes e duradouras para essa população.

O documento conta com 217 ações e 43 metas específicas, divididas em 11 eixos: saúde; educação; cultura; segurança pública; trabalho e renda; geração de trabalho e renda; ciência e tecnologia; esportes; segurança alimentar; fortalecimento da democracia; meio ambiente, garantia do direito à cidade e a valorização dos territórios.

O governo federal aponta ainda que o Plano Juventude Negra Viva tem projeção de 12 anos, com a previsão de ser avaliado e renovado a cada quatro anos. 

De acordo com o projeto, governadores estaduais poderão aderir ao documento, firmando o compromisso com a juventude negra e apontando suas localidades prioritárias para o governo brasileiro executar as políticas nacionais para este público.

A secretária de Promoção de Igualdade Racial e Combate ao Racismo, Celina Wotcoski ressalta que a medida é uma resposta às cobranças do movimento negro, que há anos luta por políticas públicas que reduzem a desigualdade e promovam a ascenção social de jovens negros.

“A iniciativa do governo federal é mais um passo na nossa luta por uma sociedade antirracista de fato e que garanta que a juventude negra possa prosperar, tendo em vista que existe toda uma estrutura que dificulta que nossos jovens tenham acesso a educação, saúde e pleno emprego. Essa é uma oportunidade de mover essas estruturas e cada vez mais avançar na nossa luta por equidade”, completa Celina.

Entre as 10 ações prioritárias do plano estão: 

– Projeto Nacional de Câmeras Corporais, com diretrizes, treinamento e capacitação para policiais

– Criação do Pronasci Juventude, com bolsas de R$ 500 por mês para jovens negros em cursos de capacitação profissional nos institutos federais

– Política Nacional de Atenção Integral a Saúde de Adolescentes e Jovens, com recorte de juventude negra e programa específico sobre saúde mental

– Bolsa de preparação para concursos da administração pública

– Equipamentos de referência no âmbito do programa Estação Juventude, revitalização dos CEUs da Cultura e instalação de Centros Comunitários pela Vida (Convive)

– Promoção de intercâmbios entre países do hemisfério sul, com R$ 6 milhões de investimento em intercâmbios de professores e estudantes de licenciatura para África e América Latina

– Implementação do Pontão de Cultura com recorte específico para a juventude

– Internet em territórios periféricos, comunidades tradicionais e espaços públicos

– Formação de jovens esportistas nas periferias a partir dos núcleos do programa Segundo Tempo

– Crédito rural com foco na produção de alimentos, agroecologia e sociobiodiversidade, com ênfase na ampliação da linha de crédito rural Pronaf Jovem.


:: Leia mais:

:: APP reforça importância de fortalecer políticas educacionais de combate à discriminação racial
:: Enquanto Ratinho destrói a EJA, 73% dos jovens sem educação básica querem voltar a estudar
:: Com baixa representatividade, mulheres negras configuram apenas 6% das vereadoras no país
:: Professor da rede estadual lança livro que debate autoestima negra na Biblioteca Pública, em Curitiba

MENU