Governo abandona suas escolas e quer empresas privadas para adotá-las


Está ruim, e pode ficar pior caso o projeto de lei 304/2015 de autoria do deputado estadual Marcio Nunes (PSC) seja aprovado na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). O motivo é pelo caráter privatizador da lei que atestará o estado de abandono das escolas públicas por parte do governo do Paraná, e as colocará em adoção para que empresas privadas assumam a responsabilidade sobre elas.

Sim, com o programa “Adote uma Escola” empresas privadas poderão intervir diretamente no projeto pedagógico da escola, expondo a comunidade escolar ao jogo de interesses mercantis da sociedade capitalista.

O projeto prevê a celebração de convênios com a iniciativa privada com o objetivo de incentivar pessoas jurídicas a contribuir para a melhoria da qualidade do ensino na rede pública estadual. Ou seja, uma terceirização da escola com intervenção direta do setor privado. Uma lógica do neoliberalismo. Os(as) empresários(as) de sucesso são os(as) que sabem administrar e assim intervir diretamente na escola.

Além disso, a melhoria da qualidade das escolas públicas é responsabilidade poder público, pois são mantidas a partir da contribuição de cada cidadão e cidadã que pagam impostos.

Para o presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Leão esse projeto é humilhante pois interfere na organização das escolas. “A administração escolar deve ser organizada pelas suas direções com manutenção dos governos a partir do financiamento público. O que propõe o deputado é uma intervenção pedagógica, contrariando a autonomia que as escolas. A escola precisa educar para a emancipação humana e não para a precarização no mundo do trabalho. O trabalho como princípio pedagógico é condição para a emancipação e não deve responder a fins mercadológicos. Vivemos um momento em que é necessário reforçar o caráter público das instituições com maior participação e controle social. Levado a cabo, este projeto poderia incentivar a mal feitos e ao mal uso dos recursos”, explica.

Mobilização – A APP-Sindicato, por defender uma escola pública e de qualidade, é contra essa intervenção e mais uma vez está se organizando pela retirada deste PL. Amanhã (28) para mostrar a contrariedade a esse projeto e também ao PL da Mordaça e ao fechamento de escolas, educadores(as) usarão uma faixa vermelha no braço durante todo o dia. Além disso, pelas redes sociais está prevista uma intensa campanha denunciando os desmandos do governo e o absurdo dessas manobras políticas. Professores(as), funcionários(as) de escola, estudantes e comunidade escolar são convocados(as) a também fazer parte dessa mobilização.