Fórum Paranaense de EJA emite carta de repúdio


O Fórum Paranaense de EJA emitiu uma carta de repúdio às propostas de mudanças na oferta do Programa que vieram a público após a divulgação de uma vídeo conferência da Secretaria de Estado da Educação (Seed). O documento foi preparado durante a reunião plenária que aconteceu em Londrina, no dia 30 de setembro. Junto com a carta, o Fórum também elaborou um conjunto de proposições para encaminhar à Seed.

A reunião contou com a participação de quase 100 pessoas e o conteúdo da vídeo conferência foi a principal pauta dos debates. O vídeo, que não deveria ter se tornado público, teve o objetivo de apresentar às coordenações de EJA nos NREs uma proposta de reformulação na oferta de EJA na rede estadual de educação do Paraná. Em mais uma demonstração de descaso e desprezo pelos(as) trabalhadores(as) de educação, que de fato realizam as políticas de educação no chão da escola, a coordenação de EJA tenta esconder o que está tramando para desmontar o pouco de oferta que temos nesta modalidade, interferindo na organização dos CEEBJAS e outras escolas que ofertam EJA, praticamente inviabilizando a matrícula, consequentemente cerceando o direito daquelas pessoas que almejam voltar a estudar.

Após ver e ouvir atenta e pacientemente o conteúdo da vídeo conferência, a plenária do fórum debateu com seriedade o que foi apresentado e a principal constatação foi de que a coordenadora ou desconhece, ou age de má fé, apresentando uma proposta que desconsidera as atuais Diretrizes Curriculares para EJA, de 2006, bem como deliberações e orientações do Conselho Estadual de Educação para a modalidade, além de ignorar a existência do Plano Estadual de Educação e outras legislações que hoje organizam a oferta no estado e garantem o direito constitucional à educação aos jovens, adultos e idosos de nosso Estado. Por esses e outros motivos é que foi unânime a decisão do Fórum Paranaense de EJA em repudiar o que veio a público por parte da Seed.

“Fica difícil de não interpretar a mera intenção de redução de custos reduzindo a oferta pois a consequência será o fechamento ainda mais intenso de turmas e até de escolas em um curto período de tempo”, aponta Walkíria Mazeto, secretária de Finanças da APP.

A APP-Sindicato esteve amplamente representada na reunião do Fórum com a presença de sindicalizados(as), dirigentes regionais e da Direção Estadual. Além da professora Walkíria, também esteve presente o professor Arnaldo Vicente, secretário de Formação da APP.

Confira os documentos na íntegra:

CARTA ABERTA DE REPÚDIO

PROPOSTAS DE PLANO DE AÇÃO PARA A ALFABETIZAÇÃO E A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESTADO DO PARANÁ