Entidades se manifestam contra projeto de Ratinho Jr que terceiriza hospitais regionais e universitários

Entidades se manifestam contra projeto de Ratinho Jr que terceiriza hospitais regionais e universitários


Foto: Prefeitura de Guarapuava

Além da PEC 03, da Copel, dos serviços penais e das escolas estaduais, Ratinho Junior estende o seu projeto privatista a hospitais públicos do Paraná.

>> Receba notícias da APP por Whatsapp ou Telegram

Com o PL 522/22, o governador pretende entregar os hospitais universitários para a iniciativa privada, tirando toda a autonomia das universidades sobre a gestão destas unidades.

No caso do PL 507/22, Ratinho Jr pretende entregar a gestão dos Hospitais Regionais de Telêmaco Borba, Ivaiporã e Guarapuava, oferecendo a administração das unidades por 20 anos com a opção de prorrogação por mais 20 anos.

O Sindmed Norte, entidade que representa os(as) médicos(as) do Norte do Paraná, divulgou uma nota condenando a medida do governador. O Sindicato reforça que seria importante e razoável que a comunidade vinculada aos hospitais fosse ouvida e consideradas no projeto as especificidades institucionais.

“O regime de urgência na tramitação do projeto, solicitado pelo governador Ratinho Junior, limita o debate e a análise da proposta, que não teve a contribuição dos servidores, comunidade e menos ainda dos Médicos representados por esta entidade”, explica o Sindmed.

Já o Sindicato dos(as) Trabalhadores(as) em Estabelecimentos de Ensino de Maringá (Sinteemar) publicou um vídeo explicando os riscos da terceirização nos hospitais universitários. Confira:

O Conselho Universitário da Universidade Estadual de Londrina (UEL), também divulgou uma carta aberta sobre os riscos da privatização dos Hospitais Universitários. O Conselho aponta “interesses ocultos” por parte do Estado e afirma que “não há justificativa política, moral ou técnica para centralizar a administração e terceirizar os hospitais universitários.”

Confira a nota na íntegra no link.

“Os hospitais universitários prestam serviços gratuitos de saúde, totalmente integrados ao SUS, mas são também parte essencial e obrigatória do processo formativo de estudantes da área de saúde. Há indissociabilidade absoluta entre essa atividade de extensão, com o atendimento à comunidade, e a experiência curricular dos nossos estudantes”, continua.

O SindSaúde declarou ainda que as propostas mostram que Ratinho Jr. não tem compromisso com o fortalecimento do SUS, com a promoção da saúde pública e com a vida da população do Paraná ao entregar os hospitais construídos com dinheiro público para a iniciativa privada, cujo interesse exclusivo é o lucro.

“As terceirizações mostraram que tem um alto custo e coloca as vidas em risco, pois não tem garantia de que haja melhora no funcionamento dos serviços de saúde prestados à população, inclusive pela precarização da remuneração e das relações de trabalho dos contratados”, ressalta Olga Gomes Pereira, Coordenadora Geral do SindSaúde.

Vale lembrar que no caso dos três hospitais em, são obras inauguradas no ano de 2020 e construídas com dinheiro público. De acordo com o próprio Governo do Estado, as unidades juntas possuem 90 espaços de UTI e 80 leitos de enfermaria. 

Desta forma, Ratinho mantém a lógica de entregar espaços construídos a partir dos nossos impostos, ou seja, dinheiro da população paranaense, para entregar de bandeja para a iniciativa privada. É um Robin Hood às avessas.

O projeto deve ser votado ainda nesta semana e a bancada de oposição deve apresentar emendas para barrar a privatização.

Liquidação

A cruzada do governador reeleito contra o serviço público aproveita o final de ano para tentar aprovar o completo desmonte do Estado ainda em 2022.

Infelizmente, o envio de projetos de Lei em dezembro, sem debate público, de forma atropelada e alterando profundamente a estrutura do Estado, atacando a carreira de servidores(as) e os serviços públicos tornou-se uma prática costumeira de Ratinho Junior.

É o caso, novamente, em 2022, quando o governador se aproveita da Copa e do período de transição pós-eleitoral para passar a boiada no Paraná. Resumimos o que está em curso em dois cards nesta semana, reproduzidos abaixo.


Quando o Sindicato chama para a luta, tenha certeza: algum direito seu está em risco. A APP está mobilizada para barrar os enormes retrocessos em curso, incluindo a privatização das escolas e a desastrosa PEC 03. Desde já, o Sindicato e o Fórum de Entidades Sindicais convocam o funcionalismo para ato em frente à Assembleia Legislativa no dia 12 de dezembro, a partir das 11h.

MENU