Em sessão fechada fora da Alep, aliados(as) de Ratinho alteram Previdência dos(as) servidores(as)

Veja como votou cada deputado(a): 9 defenderam o funcionalismo e 43 seguiram a orientação do governador

Com 43 votos favoráveis, a Assembleia Legislativa (Alep) aprovou, em primeira discussão, a proposta de emenda à Constituição (PEC) 16/19 que altera regras da Previdência dos(as) servidores(as) públicos(as) do Paraná.

Pela proposta, Ratinho Junior quer subir de 11% para 14% a alíquota de contribuição, inclusive dos(as) aposentados(as) e pensionistas, e aumentar a idade mínima para 65 anos para homens e 62 anos para mulheres se aposentarem.

A votação foi realizada na tarde desta quarta-feira (4), no teatro Ópera de Arame, em sessão plenária fechada para a população. O entorno do local foi cercado desde as primeiras horas do dia com um forte esquema policial.

Outros 9 deputados(as) votaram contra a proposta e denunciaram uma manobra acordada entre o governador Ratinho Junior e aliados(as) para votar as alterações em regime de urgência, sem diálogo com o funcionalismo. Veja abaixo como votou cada deputado(a).

A promessa do presidente da Casa, Ademar Traiano (PSDB), é votar ainda hoje o segundo turno e a redação final. De acordo com as lideranças sindicais e a bancada de oposição, a Mesa Executiva da Alep não respeitou o Regimento Interno da Casa. A norma determina um intervalo de cinco sessões entre a primeira e a segunda votação de propostas de emenda à Constituição.

Sindicatos e parlamentares já anunciaram que vão à Justiça pedir a anulação da sessão. “É um golpe contra a nossa Constituição, contra a população e contra os servidores. O autoritarismo do governo e de seus aliados não tem limites e não iremos nos calar”, criticou o presidente da APP-Sindicato, Hermes Silva Leão.

Foram votados ainda os projetos de lei n. 855/19 e n. 856/19, também relacionados com a reforma da Previdência. Eles receberam 44 votos favoráveis e 8 contrários. Nesses projetos, o deputado Anibelli Neto (MDB), que votou contra a PEC, apoiou o governo. Apenas o deputado Gilberto Ribeiro (PP) esteve ausente.

Luta continua

Contrários ao projeto e a falta de diálogo do governo, os(as) servidores(as) da educação estavam em greve desde a última segunda-feira (2). Em assembleia realizada na tarde de hoje (4), a categoria encerrou a paralisação, mas manteve o estado de greve. Caso seja anunciado mais algum ataque ainda este ano, o movimento poderá ser retomado.

Veja como votou cada deputado(a).

 

Deputados(as) da ratoeira que votaram contra os(as) servidores(as)


Deputados(as) que votaram em defesa dos(as) servidores(as)