Educadores(as) paranaenses participam da etapa estadual da Conferência Nacional da Educação

Educadores(as) paranaenses participam da etapa estadual da Conferência Nacional da Educação

Conepe 2022 começou nesta sexta-feira (25) com diálogos sobre a proposta dos(as) trabalhadores(as), das universidades, de pais e mães, movimentos sociais para a educação pública

Um grande esforço coletivo de mobilização em prol da educação pública do Paraná. Assim pode ser resumida a abertura da Conferência Estadual Popular de Educação (Conepe), que aconteceu online nesta sexta-feira (25). Mais de 220 educadores(as) e representantes de movimentos populares e sociais participaram da noite de diálogos sobre a qualidade da educação pública no Brasil

Esta etapa, que começou hoje se encerra no sábado (26), é resultado um processo de debates ocorridos em conferências municipais e macrorregionais no Paraná ao longo do último ano. No total, foram realizadas uma etapa  municipal, 14 regionais e três macrorregionais, alcançando os 29 núcleos sindicais da APP e praticamente todos os municípios do Paraná.

Também aconteceram seis conferências livres: a de lançamento, do Ensino Médio, da Educação de Jovens e Adultos, Diversidade, Ensino Superior e Municipais (Financiamento). Entre participantes, palestrantes, organizadores(as) e apoios, mais de 1.200 pessoas participaram do processo.

Nestes dois dias de evento, os(as) participantes debaterão o caderno de teses com a proposta dos(as) trabalhadores(as), das universidades, de pais e mães, movimentos sociais, dos movimentos populares em defesa da educação pública no nosso Estado.

A abertura da etapa estadual contou com a participação da professora Ieda Leal, secretária de Combate ao Racismo da CNTE. A dirigente fez uma fala emocionante sobre a inclusão das mulheres e homens negros na educação e nos espaços políticos. “Vivemos reproduzindo falas que nos remetem à situações de opressões ou discriminação. A mudança significa nos furar, não a balas como os governos fazem, mas sim furar no sentido de permitir que saia tudo que eu aprendi para negar para diminuir a nossa história. Precisamos de representatividade: mulheres e mulheres negras que legislem para a educação”, oportuniza a professora.

 

Tema: “Reconstruir o país: a retomada do Estado democrático de direito e a defesa da educação pública e popular, com gestão pública, gratuita, democrática, laica, inclusiva e de qualidade social para todos/as”

Lema: “Educação pública e popular se constrói com Democracia e Participação Social: nenhum direito a menos e em defesa do legado de Paulo Freire”

A professora Andrea Gouveia do Núcleo de Políticas Educacionais da Universidade Federal do Paraná (UFPR) trouxe uma reflexão sobre como política e educação caminham lado a lado.
“O espaço de Conferências é um espaço onde usamos a política como uma forma de mediar conflitos. Quando não há política, há guerra e morte. Governos fazem diferença pois são a chave para a possibilidade de direitos. Agora, entre declarar direito e fazer ele se tornar realidade, há um grande caminho a percorrer”, pondera a professora.
Neste sábado, os(as) participantes se dividem em eixos de debates para sintetizarem as sugestões de emendas. Na sequência, o material consolidado será levado à Conferência Nacional Popular de Educação (Conape), que acontecerá de 10 a 12 de junho de 2022 em Natal (RN).
“Esta etapa estadual traz uma tarefa militante que é produzir um material sobre a escola que queremos e, assim, eleger governos em que a gente tenha o mínimo de espaço para transformar essa realidade”, endossa a presidenta da APP-Sindicato, professora Walkiria Mazeto.
MENU