Educadores paranaenses farão mobilização contra a Reforma da Previdência e pelo descongelamento dos salários

Defender a aposentadoria e cobrar o pagamento da data-base será prioridade nos meses de março e abril. Confira o calendário de ações

Foto: Bruno Covello

 

Fazer valer, fazer cumprir! É sob essas palavras de ordem, que norteiam a Campanha Salarial da APP para 2019, que professores(as) e funcionários(as) seguirão em atividades e atos cobrando nada mais que o cumprimento e a manutenção do que é DIREITO da categoria.

Em votação na assembleia, a categoria definiu que fará o enfrentamento à proposta de Jair Bolsonaro (PSL) que propõe mudanças na aposentadoria e que, se aprovada, acarretará condições desumanas para o(a) trabalhador(a) ao final da vida. No Paraná, os(as) trabalhadores(as) cobrarão do governo de Ratinho Jr. (PSD) o pagamento dos mais de três anos de reposição atrasada.

As atividades serão intensas, além destes dois problemas centrais, há uma pauta com 26 itens (que pode ser conferida aqui). “É muito importante que a gente leia o material da Campanha Salarial, que se inteire das questões que estão alterando a nossa forma de trabalho e aposentadoria. Somente a luta coletiva é que poderá nos dar a chance de reverter as medidas de ataques que estamos sofrendo. Essa tarefa e nossa!”, convida o presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Silva Leão.

 

Confira o Calendário de Ações e Mobilizações aprovado na assembleia deste sábado (23):

24 de março – Pedalada da CUT pelo fim da violência contra as mulheres e em homenagem à professora Lirani Franco.

Em defesa da Previdência:

  • Participar da greve nacional convocada pela CUT e CNTE.
  • Dia 29 de abril – paralisação contra reforma da previdência, pela data-base, jornada de trabalho e pauta da campanha salarial (a data será alterada caso a CUT ou CNTE convoquem greve para a semana do dia 22 a 26 de abril).
  • 29 e 30 de março – Reunião com deputados federais da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). ( Membros da CCJ: Aliel Machado PSB/ Diego Garcia PODE/ Evandro Roman PSD/ Felipe Francischini PSL/  Paulo Eduardo Martins PSC/ Professor Luizão Goulart PRB/ Reinhold Stephanes Junior PSD/ Rubens Bueno PPS/ Zeca Dirceu PT).
  • Até o dia 14 de abril – Reunião com demais deputados(as) federais e senadores.
  • Organizar vigílias nos locais de moradia ou escritório político dos(as) deputados(as)favoráveis à Reforma.
  • Organizar, juntamente com demais trabalhadores(as), o calendário de lutas proposto pelas CUT e CNTE.
  • Intensificar junto as escolas a pressão nas redes sociais dos(as) deputados(as) e senadores(as) (site desenvolvido pela CUT como instrumento de Pressão: http://reajaagora.org.br/).
  • Fixar faixas na sede Estadual e dos NS, bem como nas Casas e Colonias, contra a Reforma da Previdência.
  • Organizar panfletagens e/ou bancas permanentes em lugares de grande circulação para dialogar com a população.
  • Dispor de material de comunicação e divulgação, como bottons, panfletos, camisetas e materiais virtuais para as redes sociais.
  • Até 22 de abril – realização das Assembleias Regionais Ordinárias.
  • Unificar o dia 13 de abril com atos públicos regionais. Contra a reforma da previdência e campanha salarial 2019 e em preparação a paralisação estadual.
  • Caravana da Educação, durante o mês de abril, convocando para a paralisação estadual e apresentando a pauta da campanha salarial.
  • Audiência Pública na Alep sobre a jornada de trabalho.
  • Coletivos Regionais de Pedagogas(as);
  • De 22 a 26 de abril – Participação a 20ª SEMANA NACIONAL EM DEFESA E PROMOÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA (CNTE)
  • Durante o mês de abril –  recepção ao governador do Estado. (Entregar documento ao governador exigindo a data-base e a jornada de trabalho).
  • Dia 26 de Abril – 72 anos da APP-Sindicato: realizar ações ressaltando a importância do Sindicato como representação e defesa da categoria e da classe trabalhadora
  • 1º de Maio – Participar das atividades e mobilizações nas regiões.

OUTRAS AÇÕES:

  1. Manifesto contrário ao Programa Escola Segura;
  2.  Moção de repúdio à fala do Pres. Jair Bolsonaro contra os(as) estudantes do Bolsa Família;
  3. Deliberação para que APP deixe de representar os trabalhadores e trabalhadoras de educação da rede municipal de Reserva do Iguaçu, diante da criação de uma outra entidade de representação da categoria;
  4. Composição do Conselho de Alimentação escolar (Assumem: Valdivino de Moraes e professora Rose Mary);
  5. Recomposição da direção estadual com a professora Ana Carolina Dartora, que assume a vaga e dará continuidade ao trabalho da professora Lirani Franco;
  6. Indicativo de assembleia para o início de junho.