Educadores(as) cobram respeito e denunciam ações autoritárias de Ratinho e Feder

Educadores(as) cobram respeito e denunciam ações autoritárias de Ratinho e Feder

Após caminhada, trabalhadores(as) da educação aguardam reunião com o governo

Foto: João Paulo Vieira/APP-Sindicato

Trabalhadores(as) da educação, comunidade escolar e indígena, junto da APP-Sindicato, promoveram um ato protocolado durante a manhã desta terça-feira (17) para denunciar os ataques do governo Ratinho Jr contra a educação pública. Na ocasião, os(as) manifestantes cobraram respeito aos(às) Professores(as) e Funcionários(as) contratados(as) pelo regime do Processo Seletivo Simplificado (PSS) e que o governador atenda às demais demandas da categoria. Durante o ato, medidas sanitárias foram adotadas para preservar a segurança dos(as) participantes.

A mobilização que iniciou às 7h, com uma caminhada do Parque Barigui até o Centro Cívico, reuniu centenas de trabalhadores(as) que denunciaram o risco de demissão em massa de Professores(as) PSS e também medidas autoritárias do governador. Entre as principais pautas estão a suspensão do Edital 47, que institui a realização de uma prova em plena pandemia, a militarização das escolas (incluindo o processo fraudulento de consulta), o não ao retorno das aulas presenciais, direitos de reajustes salariais e promoções e progressões, solicitação para a realização de concurso público, entre tantos retrocessos que estão impostos em uma gestão empresarial e não democrática do atual governo.

Já no Centro Cívico, a categoria foi recebida por comunidades indígenas paranaenses, que alertaram o risco para a educação indígena com a mudança do método de contratação de Professores(as) e a falta de respeito à cultura das aldeias ao estabelecer Colégios cívico-militares para estudantes indígenas. O Presidente da APP-Sindicato, Professor Hermes Leão, aponta que a categoria recebeu muito apoio da sociedade durante o percurso. “Eles entenderam a nossa mensagem de defesa dos nossos direitos, da educação pública e da necessidade do governo fazer a revogação da prova para o contrato temporário”.

A respeito da prova, Hermes Leão enfatiza que o governador Ratinho Jr e o secretário da Educação, o empresário Renato Feder, ao utilizar uma postura negacionista, demonstram pouca preocupação com a saúde e dos(as) paranaenses. “Fizemos nossa fala destacando também a falta de respeito do governador para com a vida dos(as) trabalhadores(as) e de toda a sociedade. O governo está colocando a vida de Professores(as) funcionários(as) de Escola, pais e toda a comunidade escolar em risco ao convocar votações para instituir escolas cívico-militares e eleição de diretores(as) de escola, além da infame prova para PSS”

No período da tarde, a direção estadual da APP-Sindicato participará de uma reunião com representantes do governo para cobrar que as pautas sejam atendidas. O Sindicato ressalta ainda que continuará mobilizado até que Ratinho Jr e Renato Feder atendam as demandas da categoria.