Direções afastadas: comunidade protesta contra autoritarismo do NRE de Pitanga

Direções afastadas: comunidade protesta contra autoritarismo do NRE de Pitanga

Equipes diretivas de colégios de Pitanga e Laranjal foram exoneradas por não cumprirem metas arbitrárias de participação dos estudantes.

A Seed continua a apelar ao autoritarismo para forçar a presença de estudantes nas escolas estaduais. No fim da tarde da última sexta-feira, diretores(as) civis de colégios cívico-militares de Pitanga e Laranjal foram exonerados por não cumprirem metas arbitrárias de participação dos estudantes.

As metas ignoram a realidade da população, que sequer dispõe de transporte coletivo para participar de todas as aulas.

“Nossas aulas começam às 7h da manhã e terminam às 18h, mas não temos transporte nem para a primeiro e nem para o último horário, o que acaba atrapalhando os índices porque os alunos levam falta no sistema da Secretaria”, explica Natália Tomen Zeschotko, professora do CE Dom Pedro I, de Pitanga.

Indignada, a comunidade se mobiliza e exige a recondução da equipe diretiva. Na segunda-feira (27), pais, mães, estudantes e educadores(as) protestaram em passeata até a sede do Núcleo Regional da Educação, chefiado por Angela Maria Danilo Brandalise.

Não foram recebidos. Segundo funcionários(as) do Núcleo, ela teria viajado a Curitiba, o que não se sabe se é verdade. A comunidade fez vigília em frente à escola e hasteou bandeira preta a meio pau, demonstrando revolta com o desrespeito do NRE.

“Por mais que sejamos uma escola militar, ainda vivemos em uma democracia e esperamos um mínimo de respeito. Acreditamos que há outros motivos para o afastamento, pois outras escolas também têm baixo índices já que nem todos os pais querem mandar os filhos sem vacina”, afirma Natália.

>> Receba notícias da APP no seu Whatsapp ou Telegram

Já a comunidade do Colégio Estadual Laranjal também se organiza para realizar atos e cobrar respostas.

Para Walkiria Mazeto, secretária de Finanças da APP-Sindicato, a pressão é crucial. “A mobilização da comunidade é fundamental para expor o autoritarismo e reverter as medidas arbitrárias. O governo precisa entender que as escolas não pertencem a ele, mas à população”, avalia.

Na última semana, liminares da APP reverteram o afastamento de direções de escolas civis em Curitiba, antes da nova resolução da Seed que retirou dos pais o direito de escolha quanto às aulas presenciais ou remotas.

Solicitamos que relatos de coação, autoritarismo e descumprimento de protocolos sejam enviados para o e-mail [email protected]