Diante de escândalos na compra de vacinas, movimentos sociais realizam ato nacional pela vida e por vacina para todos(as)

Diante de escândalos na compra de vacinas, movimentos sociais realizam ato nacional pela vida e por vacina para todos(as)

No Paraná, além de denunciar a política genocida do presidente Jair Bolsonaro, os(as) participantes cobram uma política efetiva de isolamento no estado. Educadores(as) denunciam mortes e contaminações no retorno das aulas presenciais

📷 Roberto Parizotti

Na tarde deste sábado (3), entidades sindicais, movimentos sociais e a sociedade civil organizada realizam uma mobilização nacional para denunciar a política genocida de Jair Bolsonaro (Sem Partido). No Paraná, diversas cidades sediarão o ato nacional, onde cobram por respeito à vida da população, a compra de vacinas e o pagamento de um auxílio emergencial adequado. 

Diante de novas denúncias de corrupção por parte de Bolsonaro na aquisição de vacinas e o aprofundamento de ações negacionistas e que favorecem a disseminação do coronavírus no País, os atos apontam a necessidade da celeridade na vacinação da população e rigor nas investigações do pagamento de propina na compra dos imunizantes. 

Em Curitiba, a concentração do ato será realizada na Praça Santos Andrade, em frente a Universidade Federal do Paraná (UFPR). Além da capital, as cidades de Londrina, Irati, Ponta Grossa, Francisco Beltrão e Morretes também sediarão atos. Para participar, entre em contato com o Núcleo Sindical de sua região e confira a programação para sua cidade. 

“Nós estamos orientando nossa categoria para que participem da mobilização convocada nacionalmente neste sábado. Aqueles(as) que tiverem segurança e não tenham comorbidades, participem dos atos nas cidades paranaenses. Já quem não conseguir participar de forma presencial, recomendamos que se mobilizem de forma virtual”, convida o presidente da APP-Sindicato, Professor Hermes Leão.

O Professor Hermes Leão aponta ainda que além da denúncia contra o governo Bolsonaro, a mobilização no Paraná denunciará o governador Ratinho Jr, que integra a base do governo federal e segue a cartilha negacionista e neoliberal do presidente. Sem levar em consideração as orientações de entidades ligadas a saúde, como a Organização Mundial da Saúde (OMS), Ratinho adotou medidas pouco efetivas de isolamento social, ordenando inclusive o retorno das atividades presenciais no Paraná, medida que coloca em risco a vida de Educadores(as), estudantes e toda a comunidade escolar.

“Avaliamos que as mobilizações são necessárias diante da tragédia da conjuntura nacional, com a pandemia gravemente colocada, sem planejamento governamental que enfrente de fato a disseminação do vírus. Aqui no Paraná, o governador Ratinho também atua na linha negacionista, que vai intensificando o número de óbitos no estado. Então essa pauta central é a denúncia do negacionismo assassino que está em curso no Brasil e no Paraná”, completa o presidente da APP-Sindicato.

A APP-Sindicato orienta ainda que os(as) participantes utilizem máscaras PFF2, álcool em gel e respeitem o distanciamento social de ao menos 1,5 metros de distância. É importante também que educadores(as) levem cartazes denunciando o negacionismo de Ratinho Jr. e Bolsonaro, assim como fotos de colegas e familiares que foram vítimas da Covid-19 para que seja feita uma homenagem e denúncia ao genocídio no País.

Confira o local e horário dos atos no Paraná: