Custo da cesta básica aumentou em praticamente todas as capitais em 2019

De acordo com a mesma pesquisa, salário mínimo deveria ser R$ 4.342,57

Valor da cesta básica aumenta e compromete renda dos(as) brasileiros(as) - Foto: IDEME

Em 2019, o valor da cesta básica aumentou em 16 das 17 capitais onde o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos.

Na capital paranaense a alta foi de 9,50%, sendo a sétima maior variação entre as dezesseis capitais, e custou R$ 458,88, o sétimo maior valor entre as 17 cidades onde o DIEESE realiza a pesquisa.

As altas mais expressivas, entre dezembro de 2018 e 2019, foram registradas em Vitória (23,64%), Goiânia (16,94%), Recife (15,63%) e Natal (12,41%). A menor variação positiva ocorreu em Salvador (4,85%). Em Aracaju, o acumulado em 12 meses foi negativo (-1,89%).

Ainda em Curitiba, durante 2019 dez produtos apresentaram aumento, sendo eles: a carne bovina (31,43%), a banana (26,05%), a batata (12,70%), a manteiga (11,46%), o açúcar (11,31%), o óleo de soja (7,81%), o feijão preto (6,96%), a farinha de trigo (4,92%), o pão francês (2,77%) e o arroz (0,39%). Por outro lado, três itens apresentaram queda: o tomate (-41,92%), o café (-6,48%), e o leite integral (-1,96%).

Salário mínimo deveria ser quatro vezes maior

O DIEESE também calculou o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas. De acordo com os dados apurados, em dezembro de 2019 o valor deveria equivaler a R$ 4.342,57 ou 4,35 vezes o mínimo de R$ 998,00.

:: Leia a íntegra da pesquisa do Dieese, clicando aqui.