Curitiba terá rede de proteção à comunidade LGBTI

APP-Sindicato celebra conquista e continha a luta por políticas públicas de combate à LGBTIfobia

Foto: Pixabay

A medida é uma iniciativa do município acoplado com Estado. Formalizou-se, inicialmente, em 2017 pelo comitê de acompanhamento de políticas públicas voltadas à demanda LGBT.

De fato, a medida visa a garantir a articulação de ações conjuntas para formação de uma rede interinstitucional de atenção a casos de violência e discriminação.
Assim, o Paraná é o primeiro estado a ter uma rede de proteção com esta responsabilidade. Sua criação gerou articulações para uma rede nacional, que deve ser criada pelo Governo Federal.

Contudo, o protocolo seria inicialmente perpetrado no município de Curitiba, mas por contemplar vários órgãos foi lançado pelo Estado.
“O protocolo de intenções reúne diversos órgãos do estado e do município de Curitiba. É um trabalho de atendimento, acompanhamento e solução feito em rede com a qual é possível dialogar e ter atendimento pleno e integral”, explica Ana Raggio, coordenadora da Divisão de Políticas para LGBT da Secretaria de Estado da Justiça, Família e Trabalho.

Esta rede é o primeiro passo para a consolidação das políticas da diversidade sexual no Paraná e na capital. Ela é fundamental para o entendimento e a ampliação das nossas ações”, conta Allan Johan, assessor de Políticas de Diversidade Sexual da Prefeitura.

Fonte: Observatório