Conselho Estadual de Educação aprova parecer favorável à reestruturação da EJA

O parecer foi aprovado mediante a um compromisso da Seed em garantir as matrículas atuais e ainda ampliar a oferta de EJA

Dirigentes da APP-Sindicato participaram da reunião do Conselho Estadual da Educação (CEE), realizada nesta quinta-feira (7), onde foi votado um parecer sobre uma proposta da Secretaria de Estado da Educação (Seed) de reestruturação da Educação de Jovens e Adultos (EJA), que reforça ainda mais a exclusão de estudantes. Entre as medidas previstas estão a padronização de cronogramas, redução de tempo de estudos, diminuição da oferta das horas semanais de cada disciplina, priorização da profissionalização ao invés da escolarização, adoção quase total da aplicação em ensino a sistância (EAD).

Durante a reunião, a maioria dos(as) membros(as) do CEE votaram favoráveis ao parecer da Seed. Foram oito votos contra um. Embora tenha aprovado a proposta, o CEE exigiu mudanças. Uma das mais importantes é a garantia de que não se perca nenhuma matrícula para 2020, além do compromisso de garantir professores(as), equipe pedagógica e funcionários(as), com o objetivo de ampliar o número das matrículas atuais, com oferta simultânea dos blocos de disciplinas descritos na proposta tanto para o Ensino Fundamental II quanto para o Ensino Médio. Sobre o formato EAD, a discussão foi adiada.

O conselheiro José Manoel de Souza votou contrário à medida e destacou que o novo modelo é uma regressão para educação Paranaense. “Uma das características da população jovem, adulta e idosa que demandam EJA, seja do campo, com os trabalhos e tradições ligados aos períodos de produção, ou da cidade, com sua sazonalidade urbana de períodos de maior ou menor consumo, turnos alternados de trabalho, desemprego, impõe descontinuidade aos estudos, indicando dificuldade em cumprir cronogramas fixos como na escolarização infanto-juvenil que dedica sua vida quase que exclusivamente à escola”, destaca Souza em seu discurso.

:: Leia a íntegra do voto do conselheiro José Manoel de Souza

O presidente da APP-Sindicato, Hermes Leão, enfatiza que é necessário que educadores(as) e comunidade escolar acompanhem e fiscalizem a implementação das medidas. “Temos recebidos reclamações das escolas que a Seed tem feito movimentos para cercear as matriculas e a metodologia individualizada e se isso continuar, nós vamos manter o monitoramento para denunciar ao CEE e outras instâncias para que as medidas cabíveis sejam tomadas”.

Confira o material completo da APP-Sindicato sobre a temática:

Proposta da Seed para a EJA reforça condição de exclusão
Audiência sobre a EJA reforça luta contra modelo proposto pela Seed
Em Foz do Iguaçu, estudantes da EJA são contrários ao modelo EaD