CNTE se solidariza com greve geral argentina convocada para esta quarta-feira (24) APP-Sindicato

CNTE se solidariza com greve geral argentina convocada para esta quarta-feira (24)

A greve marca a luta dos(as) trabalhadores(as) do país irmão contra os ataques ultraliberais do governo Milei

Em nota publicada nesta terça-feira (23), a Confederação Nacional dos(as) Trabalhadores(as) em Educação (CNTE) destacou a solidariedade da categoria em todo o Brasil em apoio à greve geral convocada por centrais sindicais e sociedade civil organizada na Argentina, a ser deflagrada nesta quarta-feira.

O movimento é uma resposta às políticas ultraliberais do governo Milei, que tenta aprovar a “Lei Omnibus”, um extenso projeto com mais de 600 artigos que destrói políticas sociais, privatiza empresas e confere superpoderes ao recém-empossado presidente até o fim do seu mandato.

Confira a íntegra da nota

Nas eleições de 2023 da Argentina, chegou ao poder o ultraliberal Javier Milei, o que já indicava a tragédia de proporções dantescas para o país e para toda a região.

A cartilha neoliberal e de ataques aos direitos sociais de seu povo, já anunciadas em sua campanha, não demoraram a aparecer: logo no início do seu governo ocorreu a demissão de, aproximadamente, 45 mil funcionários(as) públicos(as), medida bloqueada pela Justiça do país, e uma inflação anual de fundo superior a 200%, o que levou o país a entrar em estado de calamidade pública, sendo autorizado até o pagamento via bitcoin (moeda eletrônica) e por meio de escambo de produtos.

Assim, os(as) trabalhadores(as) argentinos(as) passaram a poder receber seus salários em “equivalentes”, como carne de boi, leite, moeda eletrônica ou literalmente qualquer outra coisa que valha dinheiro.

Se não bastasse esse retrocesso sem precedentes em qualquer economia latino-americana, o governo de Milei ainda propõe uma Reforma Trabalhista que retira direitos consagrados e ataca todo o arcabouço de proteção social do país. Uma verdadeira terra arrasada! Convocada pela Confederação Geral de Trabalhadores (CGT), pela Confederação Sindical de Trabalhadores das Américas (CTA autônoma) e pela Central de Trabalhadores e Trabalhadoras da Argentina (CTA dos Trabalhadores), a Greve Geral desta quarta-feira (24) se anuncia como uma reação legítima de todo o povo argentino.

Por muito menos, vários presidentes do país já caíram. Além disso, tem ocorrido a ameaça da Ministra de Segurança em reprimir as manifestações, ao criar até canais de denúncias dos patrões contra os(as) trabalhadores(as) que aderirem à greve, o que causará ainda mais ímpeto à luta do povo argentino.

Desde o Brasil, as centrais sindicais já se solidarizam com a luta do povo irmão e, do lado dos(as) educadores(as) brasileiros(as), parceiros(as) de tantas lutas há anos empreendidas de forma continental, não poderíamos ficar omissos na obrigação dessa solidariedade internacional. Todo apoio à luta dos(as) trabalhadores(as) argentinos(as), que também é nossa luta! Esses(as) governantes que insistem em atravancar o caminho da emancipação humana entrarão para a lata de lixo da história! Fora Milei e todas as suas medidas neoliberais e de ataque aos nossos direitos!

Brasília, 23 de janeiro de 2024

Direção Executiva da CNTE

MENU