Censura a livro “O avesso da pele” causou queda de popularidade de Ratinho Jr, mostra pesquisa APP-Sindicato

Censura a livro “O avesso da pele” causou queda de popularidade de Ratinho Jr, mostra pesquisa

Denúncia feita pela APP-Sindicato está entre os temas que influenciaram no aumento da insatisfação dos(as) paranaenses com a gestão do governador Paraná

Governador Ratinho Jr. - Foto: Roberto Dziura Jr/AEN

Levantamentos recentes realizados pelo sistema PopVox mostram que a insatisfação dos(as) paranaenses com a gestão do governador Ratinho Jr. (PSD) tem aumentado. Dados analisados pelo instituto revelam que temas como censura nas escolas, corrupção, aumento de impostos e privatização da Copel influenciaram negativamente na popularidade do governador.

Em apenas três meses, entre dezembro de 2023 e março de 2024, a aprovação de Ratinho oscilou entre 57% e 74%, mostrando que os altos índices de apoio popular do primeiro mandato já não se sustentam com a mesma facilidade observada antes da reeleição.

:: Receba notícias da APP pelo Whatsapp ou Telegram

Foram coletadas e analisadas 8.231 conversas online envolvendo o nome do governador. O sistema de pesquisa e análise de opinião pública capta dados quantitativos e qualitativos a partir de informações extraídas de notícias, comentários e interações espontâneas na internet.

Aumento de impostos

Em dezembro, a repercussão do aumento da alíquota do ICMS no Paraná não caiu bem para a imagem de Ratinho Jr. e o índice PopVox registrou 57% de sentimento positivo. Na contramão de outros estados, o governador elevou a alíquota do imposto cobrado em diversos produtos, incluindo energia elétrica.

No mês seguinte, a popularidade subiu para 65%, mas não foi identificado nenhum novo fator com potencial para promover grandes alterações. Em fevereiro, com notícias sobre as ações do governo e a chegada da fábrica da multinacional LG, o sentimento positivo das pessoas em relação ao chefe do Executivo na internet foi a 74%. 

Apagões da Copel

Mas em março, o índice PopVox caiu novamente, chegando a 69%. Segundo o instituto, a queda foi influenciada principalmente por três acontecimentos. Em primeiro lugar aparecem as reclamações sobre os “apagões da Copel” e as críticas sobre a privatização da empresa.

Após Ratinho Jr. vender ações da empresa, os serviços pioraram e houve aumento das reclamações de consumidores em todo o estado. Dados compilados pelo Apagômetro, canal criado para registrar reclamações e ocorrências de interrupção de energia no Paraná, mostram que os apagões atingiram 387 das 399 cidades paranaenses após a privatização, causando prejuízos e transtornos a moradores e empresas.

>> Leia também: Ratinho Junior entrega Copel ao mercado após prometer que não privatizaria a estatal

Censura nas escolas

O segundo tema que arranhou a imagem de Ratinho Jr. foi a censura ao livro “O Avesso da Pele”, denunciada pela APP-Sindicato e que teve repercussão nacional. Clássico da literatura e vencedor do prêmio Jabuti, a obra foi recolhida das escolas estaduais por ordem da Secretaria da Educação.

Foto: Divulgação

:: Leia também
>> Núcleo Regional de Educação de Curitiba manda recolher livro “O Avesso da Pele” de todas as escolas
>> APP aciona Ministério Público contra censura de “O avesso da pele”; vendas do livro disparam em todo o país
>> Escritor critica censura do governo Ratinho Jr. a livro que aborda temática racial e venceu o maior prêmio de literatura do país 

Corrupção

O outro assunto é a recusa do governador em se posicionar sobre o esquema de corrupção envolvendo seu amigo de partido e presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Ademar Traiano (PSD). 

Ratinho é presidente estadual da sigla, mas ao ser questionado sobre a revelação de que Traiano confessou ter exigido propina para renovar um contrato da TV Assembleia, o governador atacou a imprensa e disse que não era comentarista político.

O caso envolve também o ex-deputado Plauto Miró. Ambos admitiram ao Ministério Público que receberam propina. Eles assinaram um Acordo de Não Persecução Penal (ANPP) para não serem processados pelo crime.

As investigações tiveram início em 2020 e estavam sob sigilo. A revelação só veio à tona no final de 2023, após denúncia feita pelo deputado estadual Renato Freitas (PT) e a divulgação de documentos da delação premiada feita pelo empresário envolvido no escândalo.

MENU