Campanha salarial 2018 será reafirmada junto ao governo do Estado

Campanha salarial 2018 será reafirmada junto ao governo do Estado

Categoria realiza assembleia estadual no dia 21 de abril para avaliar a conjuntura

A saída de Beto Richa (PSDB) pode trazer uma perspectiva de reabertura de negociação entre educadores(as) e o governo do Estado do Paraná. Já na primeira semana de seu mandato, a governadora Cida Borghetti (PP) recebeu representantes da APP-Sindicato no Palácio Iguaçu e ouviu as reivindicações da Campanha Salarial da categoria. Na próxima terça-feira (17) a APP se reúne com a equipe da Secretaria de Estado da Educação (SEED) para discutir ponto a ponto os itens da pauta, que inclui o cumprimento de leis e a luta por melhores condições de ensino e aprendizado.

Além de entregar oficialmente a pauta completa dos(as) educadores(as) definida em assembleia, os dirigentes da APP apresentarão à equipe do governo os itens que compõem a Campanha Salarial 2018. Para o Sindicato, existem condições de progredir na pauta, uma vez que muitos itens foram ignorados pelo governo anterior por falta de vontade política. “O governo de Beto Richa foi marcado pela maldade e perseguição sem abertura para o diálogo”, lembra o presidente da APP, professor Hermes Leão.

No entanto, ainda não há motivos concretos para aliviar a pressão sobre o governo. A nova conjuntura do Estado será analisada e debatida em assembleia estadual da categoria, convocada para o dia 21 de abril, em Curitiba. Também será definido o calendário de mobilizações para os próximos meses, lembrando que a categoria permanece em estado de greve.

Caso a SEED volte mesmo a ter maior autonomia, conforme indicado pela Governadora, propostas que visam a melhoria do ensino público no Paraná podem finalmente ser atendidas, como:
• Redução do número de estudantes por turma.
• Garantia do PDE e PróFuncionário.
• Contraposição ao fechamento de escolas, redução de turmas, redução de programas e projetos com a implantação de Escolas de Tempo Integral.
• Acompanhamento do cumprimento das metas dos Planos Nacional, Estadual e Municipais de Educação (PNE, PEE e PME’s).
• Movimento de resistência à implementação da BNCC nas escolas do PR.
• Jornada de Trabalho em hora-aula das(os) pedagogas(os)e professores(as) readaptados(as).
• Combate a lei da mordaça.
• Novo Porte de Escola.

Já na questão salarial a luta será pelo pagamento da data-base (a estimativa é que até maio, se não houver o reajuste previsto em lei, o governo estadual acumulará uma dívida de 12% com a categoria). Também continua a luta pelo reajuste salarial real, previsto pela Lei Nacional do Piso Salarial Profissional Nacional, que hoje seria de 23,88% e contra a redução dos salários de professores(as) PSS. A lista completa de itens que integram a Campanha Salarial 2018 compreende:
• Reajuste data-base.
• Cumprimento do reajuste do PSPN.
• Revogação dos itens ilegais da resolução 15/2018 (distribuição de aulas): contra a redução da jornada de hora-atividade e ataque às licenças legais.
• Correção da redução dos salários dos professores(as)PSS, pagamento pela maior habilitação, atendimento à saúde.
• Pagamento do salário mínimo regional para os(as) funcionários(as) que recebem abaixo do atual valor (R$ 1.293,60).
• Equiparação do auxílio-transporte dos(as) funcionários(as) ao que é recebido pelos(as) Professores(as) (cargos de 40h).
• Reajuste do vale alimentação para os funcionários(as),
• Posse dos(as) aprovados(as) no concurso do magistério de 2013.
• Concursos públicos para professores(as) e funcionários(as).
• Retirada das faltas de greve.
• Contra o assédio moral e adoecimento.

Segue ainda o apoio da categoria às pautas municipais e nacional, em solidariedade aos(às) demais trabalhadores(as).
• Defesa da Previdência Pública.
• Luta pela anulação das reformas aprovadas pelo governo Temer (Reforma do Ensino Médio, Reforma Trabalhista, teto de gastos, terceirizações, etc.).
• Pagamento do Piso Nacional para as redes municipais.
• Concurso público para a rede municipal.
• Plano de carreira e contra a retirada de direito para os(as) educadores municipais).

 

 

MENU