Atendendo a lobby empresarial, relator do projeto que modifica Novo Ensino Médio quer reduzir carga horária da formação geral APP-Sindicato

Atendendo a lobby empresarial, relator do projeto que modifica Novo Ensino Médio quer reduzir carga horária da formação geral

De acordo com a mudança, ao invés de destinar 2.400 horas para a formação geral, o deputado e ex-ministro pretende reduzir para 2.100 horas o currículo básico

Brasília - O presidente Michel Temer e o ministro da Educação, Mendonça Filho, durante cerimônia de sanção da lei que reformula o ensino médio, no Palácio do Planalto (Antonio Cruz/Agência Brasil)

:: Receba notícias da APP pelo Whatsapp ou Telegram

A batalha por mudanças no Novo Ensino Médio ganhou um novo episódio nesta semana. 

O relator da proposta, deputado Mendonça Filho (União-PE) quer reduzir a carga horária para as disciplinas regulares, desvirtuando a proposta original construída pelo governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em debate com setores que defendem a educação pública. O deputado deve enviar a proposta com as alterações até o dia 12 de dezembro (terça-feira). 

De acordo com a mudança, ao invés de destinar 2.400 horas para a formação geral, Mendonça Filho pretende reduzir para 2.100 horas o currículo básico. Ainda segundo a proposta de alteração, as 300 horas a menos serão destinadas para que secretários(as) estaduais de educação apliquem para completar em disciplinas regulares ou itinerários formativos. 

Desta forma, os itinerários formativos teriam mais espaço, atendendo a interesses de fundações empresariais, que se utilizam da grade para lucrar com propostas pedagógicas mirabolantes e alheias à realidade dos(as) estudantes. Na proposta do governo Lula, a carga horária destes componentes curriculares seria de 900h, em contraste com as atuais 1.200h.

Na prática, seriam 300 horas anuais a menos de aulas como matérias como matemática, português, história e química, sociologia, entre outras. 

Vale lembrar que Mendonça, enquanto Ministro da Educação no governo golpista de Michel Temer (MDB) foi o responsável pela aprovação do Novo Ensino Médio, o qual reduziu a carga horária de disciplinas tradicionais e implementou os itinerários formativos. 

As aulas dos itinerários formativos foram ponto de grande debate após a implementação, já que a partir de 2022 tornaram-se o centro de denúncias de estudantes e educadores(as). Entre as aulas mais bizarras estavam produção de brigadeiros e bolo de pote.

Em resposta à tentativa de manter o absurdo que é o NEM por parte de Mendonça, o Fórum Nacional Popular de Educação (FNPE) convocou uma mobilização nacional para defender uma educação de qualidade para os jovens brasileiros.

A entidade entende que a proposta apresentada pelo governo, embora necessite ser aperfeiçoada, apresentou avanços significativos para garantir uma educação democrática, plural e de qualidade. 

>> Confira a íntegra da apresentação do MEC aqui

A mobilização reivindica, também, o fim do “notório saber”, medida que permitiu a presença de profissionais sem formação pedagógica nas escolas e o fortalecimento da formação profissional integrada. Esta alteração também está presente no projeto original do governo Lula.

Entenda as mudanças propostas no projeto do governo Lula

O objetivo é que o projeto seja implementado e chegue às escolas até 2024. Entre as alterações, o PL propõe:

1) A retomada da carga horária de 2,4 mil horas de Formação Básica para estudantes do ensino médio regular. Atualmente, a formação tem apenas 1,8 mil horas; 

2) A volta da obrigatoriedade de todas as disciplinas do ensino médio, como filosofia, sociologia, arte e a língua espanhola;

3) A articulação, excepcional, do oferecimento da formação básica com 2,1 mil horas, com a formação técnica, de no mínimo 800 horas;

4) A definição de quatro Percursos de Aprofundamento e Integração de Estudos Propedêuticos (Itinerários). Cada itinerário deverá contemplar pelo menos três áreas de conhecimento, e cada escola terá de oferecer dois dos quatro percursos;

5) Construção de parâmetros nacionais para a organização de itinerários e integralização de estudos, com a definição dos componentes curriculares a serem priorizados em cada um deles; 

6) A vedação da oferta de componentes curriculares da formação geral básica à distância. O objetivo é regulamentar a oferta das modalidades em contexto específico para os itinerários; e

7) A revogação da inclusão de profissionais não licenciados, com reconhecimento de notório saber, no exercício do magistério.

Como é a proposta do relator:

1) Define que a carga horária para as disciplinas comuns terá um piso de 2.100 horas -sendo 300 horas flexíveis, ou seja, estados podem definir se irão usá-las com a parte de formação comum ou de itinerários formativos

2) Destina as outras 900 horas obrigatoriamente para os itinerários formativos


:: Leia mais:

:: Posição do Brasil no Pisa reflete outra lanterna em ranking internacional: o de investimento em educação
:: Paraná conclui fase estadual da Conae 2024 com aprovação de propostas e delegados(as) para a nacional

MENU