ASSMEF inaugura Biblioteca Lirani Franco, na Fazenda Rio Grande na próxima terça-feira (21)

ASSMEF inaugura Biblioteca Lirani Franco, na Fazenda Rio Grande na próxima terça-feira (21)

Idealizada em 2020, a biblioteca tem como objetivo aproximar a categoria do Sindicato

Na próxima terça-feira (21), a Associação dos Trabalhadores Municipais em Educação Pública de Fazenda Rio Grande (ASSMEF), associada à APP, realizará um evento de inauguração da Biblioteca Lirani Maria Franco. A cerimônia será realizada na sede da Associação, localizada na rua Manoel Claudino Barbosa, 1436, com início às 18h.

A celebração contará com atividades culturais como exposições e homenagens a professora Lirani Franco, professora que atuou ativamente na APP-Sindicato e foi vereadora por dois mandatos no município de Fazenda Rio Grande. No evento, um documentário produzido pela ASSMEF relembrando a trajetória de Lirani será exibido.

>> Receba notícias da APP no seu Whatsapp ou Telegram

Idealizada em 2020, a biblioteca tem como objetivo aproximar a categoria do Sindicato e proporcionar um espaço cultural para os(as) sindicalizados(as) do município. 

“Sendo nossa homenageada, a professora Lirani foi uma mulher à frente de seu tempo pro nosso município e para toda categoria da educação em geral. Lirani iniciou diversas discussões sobre pautas importantes na área cultural e em defesa da vida das mulheres, como a constituição do Conselho da Mulher na Fazenda Rio Grande, antes de ser obrigatório”, explica Jessica Daga, presidenta da ASSMEF.

Homenageada também nas ações do 8 de março da APP-Sindicato, a professora Lirani, falecida em 26 de de fevereiro de 2019, trabalhou incessantemente para garantir que tanto a educação pública quanto os(as) educadores(as) fossem valorizados(as) no município. 

“Manter a memória da professora Lirani viva é importante pois nos faz perceber a importância da defesa da educação, que gera frutos e vale a pena. O exemplo da Lirani nos faz pensar que um mundo melhor é possível”, completa Jessica Daga.

Para participar do evento, os(as) interessados(as) devem confirmar a presença pelo número: (41) 99983-4919 ou (41) 98885-8487. 

Conheça a história de Lirani Franco

Nascida na Fazenda Rio Grande em 12 de fevereiro de 1963, a professora Lirani maria Franco era professora aposentada com mais de de 30 anos de carreira e exercia a função de dirigente sindical, compondo a diretoria estadual da APP-Sindicato, à frente da Secretaria da Mulher Trabalhadora e dos Direitos LGBTI.

Formou-se em Matemática pela PUC, onde recebeu o prêmio de Mérito Acadêmico pelo melhor desempenho no curso. Fez curso de Ciências Contábeis na FAE, especialização na UFPR e UNICENTRO. Formou-se em Política pelo Núcleo de Educação Popular 13 de Maio. Participou do Programa de Desenvolvimento Educacional do Governo do Estado (PDE/SEED).

Deu aulas no Colégio Estadual Jorge Andriguetto, Colégio Estadual Décio Dossi, onde também foi diretora (89-90) e vice-diretora (93), ambos de Mandirituba, no Colégio Estadual Joaquim de Oliveira Franco, em Mandirituba, e no Colégio Estadual do Paraná, em Curitiba.

A professora também atuou na direção nacional da CNTE, foi dirigente no Núcleo Sindical Curitiba Metropolitana Sul e atuava pela terceira vez na direção estadual da APP-Sindicato.

Fora das salas de aula, a professora Lirani foi vereadora em Fazenda Rio Grande em dois mandatos (legislaturas 2001/2004 e 2009/2012).

No legislativo municipal destacou-se por sua inteligência, força e coragem. Em seu segundo mandato, fez parte da mesa diretora e das comissões de Constituição e Justiça e Educação, Tecnologia e Meio Ambiente.

Educadora popular, atuou como titular no Conselho Estadual dos Direitos da Mulher, representando a APP-Sindicato. Feminista, dedicou-se a organização das mulheres, do movimento Marcha Mundial das Mulheres, tendo atuado na na coordenação estadual do movimento.


:: Leia mais:

:: #8M: APP participa da mobilização pelo fim da violência contra as mulheres
:: 8 de Março: APP promove atividade especial de formação para trabalhadores(as) do Sindicato
:: Mulheres chefiam 50,8% dos lares, mas ganham menos e sofrem mais com desemprego
:: Escola também é lugar de discutir o combate ao machismo

MENU